Ibovespa perde fôlego, após fala do presidente do BC

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Foto: b3

O Ibovespa opera em alta de 0,66%, aos 103.718 pontos, perto das 15h55, nesta sexta-feira (19).

A Bolsa perdeu fôlego depois que o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, afirmou que a tese da inflação temporária [dos bens] está cada vez mais “obsoleta”, que as expectativas inflacionárias para 2022 já “estão saindo da meta” e que um crescimento de 1% do PIB no ano que vem, “com juro de 12% ou 13% pode colocar a dívida pública em trajetória explosiva”.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

O que mexe no Ibovespa

A PEC dos Precatórios segue como tema central no país, agora com a proposta de fatiamento das emendas e Auxílio Brasil permanente. O mercado, aparentemente, reage bem à nova solução. Os investidores vêm acompanhando o tema, apreensivos pela indefinição, mas também atentos a como ficará a austeridade fiscal em ano eleitoral. 

Em evento ontem (18), o ministro da Economia, Paulo Guedes, reafirmou que o PIB crescerá 2,1% em 2022, o que contrasta com a projeção do mercado, de PIB abaixo de 1%. Hoje, o Monitor do PIB, da FGV, apontou que a  economia teve retração de 0,1% no terceiro trimestre de 2021, na comparação com os 3 meses anteriores. Já sobre o mês de setembro, houve crescimento de 0,3% em relação a agosto. Na comparação interanual a economia cresceu 4,1% no 3º trimestre e 2,4% em setembro.

Nesta sexta (19), o governo realizou leilão de terminais portuários em Santos. Segundo o Ministério da Infraestrutura, foi o maior arrendamento portuário dos últimos 20 anos. A Petrobras confirmou seu favoritismo e conquistou um contrato de mais 25 anos no terminal de granéis líquidos STS 08A, no Porto de Santos.

Exterior

Os mercados externos operam em queda, repercutindo os receios com novo lockdown decretado na Áustria. O país tornou a vacinação obrigatória. As bolsas europeias iniciaram o pregão em alta, mas inverteram o sinal, acompanhando se a medida será estendida a outros países. A Alemanha é outro país que liga o alerta sobre a quarta onda de Covid, que pode desacelerar a economia. 

Em indicadores, as vendas no varejo do Reino Unido subiram 0,8% em outubro, dentro das expectativas. Os preços ao produtor avançaram 18,4% na comparação com outubro de 2020, sendo o resultado mais alto em 70 anos. 

Ainda na Europa, a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, afirmou que não pretende subir juros para responder à inflação, que em sua visão é passageira. 

O Japão aprovou hoje um pacote de estímulo fiscal de US$ 490 bilhões para apoiar a recuperação pós-pandemia. O pacote inclui pagamentos diretos para a maioria das famílias e empresas pequenas. O valor equivale a aproximadamente um décimo do PIB do país.

Ainda no país asiático, a inflação ao consumidor recuou para 0,1% em outubro, ante 0,2% em setembro. 

Nos EUA, a Câmara dos Representantes aprovou hoje um pacote de quase US$ 2 trilhões focado em educação, saúde e contra mudanças climáticas. O projeto segue agora para o Senado, onde os democratas têm maioria. Os republicanos, no entanto, se opõem, alegando que um novo pacote irá intensificar a inflação e prejudicar o ritmo de crescimento.

Ibovespa: ações

As ações da Magazine Luiza (MGLU3) lideram as altas no Ibovespa nesta sexta. Por volta das 13h35, os papéis da empresa subiam 8,57%.

O Grupo Soma (SOMA3) é a segunda entre as maiores altas. Esta opera com variação positiva de 7,84%.

Logo após aparece Banco Inter (BIDI11), que registra variação positiva de 7,65%.

Em seguida, surge Banco Inter (BIDI4) que cresce 6,22%.

Por fim, vem CSN (CSNA3), que opera com elevação de 5,70%.

Dólar

O dólar tem alta de 0,07%, a R$ 5,5615, por volta das 13h35.

O dólar chegou a cair 0,49% durante a manhã, mas subia no início da tarde desta sexta-feira. De acordo com a Agência Estado, o mercado está reagiu a boa notícia da proposta de fatiamento da PEC dos Precatórios, à medida que poderia garantir aumento de apoio no Senado para garantir o pagamento do Auxílio Brasil, evitando reedição do auxílio emergencial, considerado opção pior do ponto de vista fiscal. Entretanto, com o cenário internacional desfavorável, a leve alta era esperada.

*Com Agência Reuters e Agência Estado