Ibovespa opera em forte alta, aguardando resultado da votação da PEC dos Precatórios no Senado

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Divulgação

O Ibovespa opera em alta de 2,79%, aos 103.581 pontos, perto das 13h35, nesta quinta-feira (2).

O Ibovespa avança enquanto o mercado aguarda a votação da PEC dos Precatórios no Senado, descolado do mercado internacional e recuperando terreno após dois dias de queda. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), adiou para esta quinta-feira a votação da PEC em plenário, que inicialmente ocorreria na quarta, e anunciou que também será analisada a medida provisória do Auxílio Brasil.

O que mexe no Ibovespa

Destaque para o Produto Interno Bruto (PIB) do país, que recuou 0,1% no terceiro trimestre, na comparação com o trimestre anterior, de acordo com o IBGE. A projeção do BTG Pactual (BPAC11) era de recuo de 0,2%.

Os serviços, que respondem por mais de 70% do PIB,  tiveram alta de 1,1%. A indústria se manteve estável (0%). Mas a agropecuária recuou 8% – devido ao impacto do fim da colheita da soja, mais concentrada nos dois primeiros trimestres. 

Outro indicador divulgado nesta quinta-feira (2) foi o Índice de Preços ao Consumidor da Fipe (IPC-Fipe), que mede a inflação em São Paulo. Ele subiu 0,72% em novembro, desacelerando em relação a outubro (quando foi de 1%). No ano, a alta é de 9,10%; e, em 12 meses, de 9,95%. 

A Fenabrave anunciou a venda de 173 mil veículos em novembro, o pior o mês em 16 anos. A venda de veículos novos recuou 23,1% contra igual período de 2020.

Ficou para hoje a votação da PEC dos Precatórios no plenário do Senado, que ainda pode sofrer alterações no texto. Também acontece a votação da medida provisória do Auxílio Brasil. Ontem, o Senado aprovou André Mendonça para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal. 

Exterior

Os mercados de Nova York buscam recuperação após uma quarta-feira (1) de queda diante do primeiro caso confirmado da variante ômicron nos EUA. A volatilidade segue enquanto os investidores acompanham o noticiário quanto à gravidade da nova cepa e a eficácia ou não das vacinas já existentes sobre ela.  

Quinta-feira é dia de divulgação dos pedidos de auxílio-desemprego nos EUA, que subiram para 222 mil requisições. A projeção era de 240 mil novos pedidos. 

Mas o dado mais importante sai amanhã: o payroll, folha de pagamentos não-agrícola oficial americana. Ontem (1), a pesquisa ADP, considerada uma prévia do payroll, apontou a criação de 534 mil postos de trabalho no setor privado, ante expectativa de 525 mil. O payroll, vale dizer, contabiliza também os cargos públicos. 

Como apontou o BTG Pactual Digital, apesar de apresentarem leituras discrepantes em diversos momentos, os últimos resultados apontaram uma maior proximidade entre os dois indicadores, o que poderia sinalizar uma normalização. O payroll desta sexta tem expectativa de criação de 535 mil vagas.

Payroll x ADP

payroll ADP
Na zona do euro, o índice de preços ao produtor subiu 5,4% em outubro, acima da projeção de 3,8%. Na comparação anual, a alta é de 21,9%.  Já a taxa de desemprego caiu a 7,3%, em linha com as expectativas.

A Opep manteve o plano de aumento da produção para 400 mil barris por dia em janeiro de 2022. A próxima reunião do grupo acontece dia 4 de janeiro.

Ibovespa: ações

As ações da Iguatemi (IGTI11) lideram as altas no Ibovespa hoje. Por volta das 13h35, os papéis da empresa subiam 6,74%.

Em segundo lugar, as ações da Petrobras (PETR3) que crescem 6,12%.

Depois vem a EzTec (EZTC3) que cresce 6,11%.

Em seguida, surge Sabesp (SBSP3) que sobe 6,07%.

Por fim, a Sul America (SULA11) que cresce 5,83%.

Dólar

O dólar tem queda de 1,22%, a R$ 5,6260, por volta das 13h35.

O dólar ampliou queda, com o mercado reagindo ao início da sessão do Senado para a discussão da PEC dos Precatórios no plenário. O relator da PEC dos Precatórios no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), apresentou um novo parecer após uma negociação para votar a proposta ainda hoje. Conforme informações da Agência Estado, o acordo ainda depende de uma nova redação para blindar a medida de ser fatiada com alterações rejeitadas pela Câmara. O novo relatório limita o pagamento de precatórios da União até 2026, e não mais até 2036, como anteriormente.

*Com Agência Reuters e Agência Estado