Ibovespa perde força e fecha o dia negativo em 0,24%

Regiane Medeiros
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Arte / EQI

O Ibovespa não sustentou os ganhos desta quinta (14) e fechou o pregão negativo em 0,24%, aos 113.185,48 pontos. O volume negociado foi de R$ 25,8 bilhões.

O destaque no país foi para o volume de serviços em agosto, que avançou 0,5%, ante 1,1% de julho, mas dentro da expectativa do mercado. Na comparação com agosto de 2020, a alta é de 16,7%. No ano, de 11,5%.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Esta é a quinta taxa positiva seguida e o setor já se encontra 4,6% acima do patamar pré-pandemia. Vale lembrar que este é o setor que tem maior peso no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

O dado de hoje complementa a série de indicadores do IBGE, sendo que, em agosto, a produção industrial recuou 0,7% e o volume do varejo caiu 3,1%.

O bom desempenho do setor de serviços decorre da reabertura pós-vacinação. Ontem, o Brasil atingiu a marca de 100 milhões de habitantes completamente imunizados contra Covid-19.

A Câmara concluiu a votação do projeto que muda a incidência de ICMS sobre combustíveis e estabelece um valor fixo por litro (não sobre o valor do preço de venda) para o imposto. A proposta segue agora para o Senado, mas enfrenta resistência dos governadores.

O governo estuda a correção do Bolsa Família pela inflação e a prorrogação do auxílio emergencial em menor valor por dois anos, disseram especialistas no assunto. A medida teria um impacto de R$ 27 bilhões e seria feita dentro do teto de gastos, disseram as fontes à Bloomberg.

Essa seria uma alternativa caso o governo não consiga colocar em prática o Auxílio Brasil, novo programa social que visa substituir o Bolsa Família. O Auxílio Brasil ainda depende da aprovação da Reforma do Imposto de Renda no Congresso. O auxílio emergencial vence no final de outubro.

Confira a evolução do Ibovespa na semana, em cada fechamento de sessão:

  • segunda-feira (11): -0,58% (112.180 pontos)
  • terça-feira (12): fechado
  • quarta-feira (13): +1,14% (113.455,92 pontos)
  • quinta-feira (14): -0,24% (113.185 pontos)
  • semana: +0,31%
  • 2021: -4,25%

Destaques da bolsa

Das 91 ações negociadas na bolsa, 32 subira, 1 se manteve estável e outras 58 caíram em relação à sessão anterior.

Mais negociadas

EmpresaTickerPreçoOscilação
PETROBRASPETR4R$ 29,68+0,17%
VALEVALE3R$ 79,200,00%
BRADESCOBBDC4R$ 20,22-0,93%
ITAÚ UNIBANCOITUB4R$ 24,14-0,49%
PETRORIOPRIO3R$ 28,15+4,41%

Maiores altas

EmpresaTickerPreçoOscilação
BANCO INTERBIDI11R$  48,405,33%
BANCO INTERBIDI4R$  16,475,16%
BANCO PANBPAN4R$  15,864,41%
PETRORIOPRIO3R$  28,154,41%
LOCALIZALWSA3R$  21,723,82%

Maiores baixas

EmpresaTickerPreçoOscilação
MÉLIUZCASH3R$    5,434,60%
BRFBRFS3R$  26,433,63%
CYRELACYRE3R$  18,192,80%
SUZANOSUZB3R$  50,992,59%
COGNACOGN3R$    3,152,54%

Dólar

  • segunda-feira (11): +0,52% a R$ 5,536
  • terça-feira (12): -0,08% a R$ 5,532
  • quarta-feira (13): -0,51%, a R$ 5,5091
  • quinta-feira (14): +0,13% a R$ 5,516
  • semana: +0,06%

Euro

  • segunda-feira (11): +0,33% a R$ 6,395
  • terça-feira (12): -0,24% a R$ 6,380
  • quarta-feira (13): +0,13% a R$ 6,388
  • quinta-feira (14): +0,17% a R$ 6,396
  • semana: +0,39%

Criptomoedas*

  • Bitcoin: +2,55% a R$ 317.665,63
  • Ethereum: +8,21% a R$ 20.812,79
  • Tether: +1,88% a R$ 5,52
  • Cardano: +2,38% a R$ 11,93
  • Binance: +2,92% a R$ 2.577,94

*(variação nas últimas 24h – corte: 17h)

Mercados do exterior

Os mercados externos fecharam em alta, repercutindo os balanços positivos do dia. Bank of America, Citigroup, Morgan Stanley e Wells Fargo reportaram resultados do terceiro trimestre melhores do que a projeção.

Ontem, o Federal Reserve afirmou que pode começar em meados de novembro um processo gradual de redução de estímulos (tapering), que pode gerar uma diminuição mensal de US$ 10 bilhões em títulos do Tesouro e US$ 5 bilhões em títulos lastreados em hipotecas – atualmente, as cifras são de US$ 80 bilhões e US$ 40 bilhões, respectivamente, somando US$ 120 bilhões mensais.

O Fed também admitiu estar preocupado com a inflação, que já dura mais do que o previsto. Sobre ela, na quarta (13) o Índice de Preços ao Consumidor (IPC ou CPI na sigla em inglês) veio acima da projeção: 0,4%, ante expectativa de 0,3%.

Já hoje foi divulgado o  Índice de Preços ao Produtor (IPP) dos EUA, que subiu 0,5%, pouco abaixo da expectativa de 0,6%. O dia teve ainda novos pedidos de seguro-desemprego, que ficaram em 293 mil, abaixo da projeção de 319 mil.

Aliás, inflação em alta, falta de mão-de-obra e crise na cadeia de suprimentos são os temas que o Fed vem acompanhando de perto.

Ontem, a Apple afirmou que pretende cortar as metas de produção do iPhone 13 em até 10 milhões de unidades neste ano, devido à escassez de semicondutores. Até então, a gigante havia passado sem danos pela crise, o que aponta que os problemas de oferta estão piorando em escala global.

Na China, a inflação ao consumidor teve alta anual de 0,7% em setembro, em linha com a expectativa. Os preços ao produtor subiram 10,7%, acima da projeção de 10,5%.

Bolsas mundiais

Nova York

  • Dow Jones: +1,56%
  • S&P 500: +1,71%
  • Nasdaq: +1,73%

Europa

  • Euro Stoxx 50 (Europa): +1,61%
  • DAX (Alemanha): +1,40%
  • FTSE 100 (Reino Unido): +0,92%
  • CAC (França): +1,33%
  • IBEX 35 (Espanha): +0,49%

Ásia e Oceania

  • Shanghai (China): -0,10%
  • Hang Seng HSI (Hong Kong): +0,23%
  • SET (Tailândia): -0,16%
  • Nikkei (Japão): +1,46%
  • ASX 200 (Austrália): +0,54%
  • Kospi (Coreia do Sul): +1,50%

Commodities

Petróleo

  • Brent (dezembro 2021): US$ 84,27 (+1,32%)
  • WTI (dezembro 2021): US$ 81,53 (+1,36%)

Ouro

  • Ouro futuro (dezembro 2021): US$ 1.798,25 (+0,20%)