Ibovespa fecha em queda; Usiminas (USIM5) e BTG (BPAC11) lideram baixa

Joana Kurtz
null
1

Crédito: Reprodução / Pixabay

O Ibovespa fechou em queda de 1,11% aos 114.380,71 pontos. A bolsa não tem teve algum impulso positivo para a alta, seja no cenário externo, onde os mercados em Nova York e na Europa oscilaram muito no pregão, seja no interno, onde o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), divulgado pela manhã pelo Banco Central, mostrou que a economia brasileira pode ter estado mais frágil em 2019 do que muitos pensavam.

O IBC-Br é uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB).O indicador apontou crescimento de 0,89% da economia em 2019. Se confirmado o número, será uma queda em relação a 2018, quando o PIB cresceu 1,3%.

Das 73 ações do Ibovespa, 19 fecharam em alta, 53 em baixa e uma estável. O índice fechou a semana com um avanço modesto de 0,54%, mas voltou a ficar negativo no ano, com queda de 1,09%.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

A maior queda ocorreu na ação da Usiminas (USIM5), de 4,35% para R$ 9,90. A siderúrgica publicou balanço de 2019 na manhã de hoje, mostrando lucro mais fraco no quarto trimestre do ano passado do que em igual período de 2018. As ações do Banco BTG Pactual (BPAC11) fecharam em queda de 4,24% para R$ 78,00.

O BTG também publicou balanço hoje, e embora os resultados tenham sido satisfatórios – com o banco lucrando mais de R$ 1 bilhão no quarto trimestre do ano passado – os investidores resolveram vender os papéis.

No lado da alta, as ações da resseguradora IRB Brasil RE (IRBR3) avançaram 5,64% para R$ 34,65. Os papéis IRBR3 tiveram forte queda nesta semana e aparentemente vários investidores acreditaram que eram uma boa barganha. As ações da Natura (NTCO3) tiveram alta de 3,50% para R$ 50,89, enquanto os papéis do frigorífico Marfrig (MRFG3) subiram 3,10% para R$ 11,65.

Dólar

O Banco Central atuou mais uma vez fazendo leilão de swap cambial no valor de R$ 1 bilhão, derrubando as posições futuras e mantendo a cotação do dólar sob controle. O dólar à vista caiu 0,79% para R$ 4.301,20. O dólar futuro fechou em queda de 1,21% a R$ 4.300,50. Nesta semana, o dólar teve queda de 0,46%, a primeira queda semanal da moeda americana em 2020.

Petróleo

O preço do petróleo encerrou o dia e a semana no maior nível em cinco semanas. Os investidores apostam na impacto limitado do surto do coronavírus, nos estímulos do Banco do Povo da China e em cortes na produção pela Opep. O preço do barril do WTI, entrega para março, teve alta de 1,73% para US$ 52,05. o preço do Brent com entrega para abril avançou 1,22% para US$ 57,32. O ouro teve alta de 0,47% para US$ 1.586,40 a onça-troy.

Nova York

A NYSE abriu com os três principais índices no terreno positivo mas sem força. Alguns dados negativos, contudo, como a queda de 0,30% na produção industrial americana em janeiro, decidiram o investidor a vender e realizar algum lucro na semana – os índices, especialmente o Nasdaq, tiveram altas robustas nos últimos dias.

Durante a maior parte da sessão os índices operaram no terreno negativo, mostrando alguma reação uma hora antes do fechamento. Após a notícia de que a Casa Branca estuda isenções no imposto de renda para que investir em ações, os índices começaram a subir.

O Nasdaq e o S&P-500 fecharam com ganhos, enquanto o Dow Jones fechou praticamente estável, embora no terreno negativo (-0,09%).

Veja o desempenho dos mercados:

Ibovespa (-1,11%) – / 14.381,71 pontos

Dolar futuro (-1,21%) – / R$ 4.300,50  pontos

Dow Jones 30  (-0,09%) – / 29.423 pontos

S&P-500 (+0,18%) – / 3.374 pontos

Nasdaq (+0,20%) – / 9.711 pontos

(colaboraram Claudia Maia, Omar Salles e Wisir Research)