Ibovespa avança 10,25% no mês, no melhor abril em 11 anos

Rodrigo Petry
Editor-chefe, com 18 anos de atuação em veículos, como Estadão/Broadcast, InfoMoney, Capital Aberto e DCI; e na área de comunicação corporativa, consultoria e setor público; e-mail: rodrigo.petry@euqueroinvestir.com.
1

Crédito: portal24.com.br

O Ibovespa encerrou o mês de abril com alta de 10,25%, recuperando parte das perdas acumuladas ao longo deste ano, que ainda somam 30,39%.

Mês passado, o principal índice da bolsa havia amargado o pior desempenho mensal desde 1998, recuando 29,90%.

Entretanto, este mês de abril reservou a melhor performance para este mês da bolsa em em 11 anos.

Na semana, os ganhos acumulados atingiram 6,87%.

Nesta quinta-feira (30), porém, o Ibovespa teve perdas de 3,20%, encerrando o mês aos 80.505 pontos.

As perdas desta sessão foram puxadas pelos bancos, com destaque para o Bradesco, após soltar balanço.

Dessa forma, das 73 ações que compõem o Ibovespa, 62 fecharam em queda, dez em alta e uma estável.

O volume financeiro negociado no Ibovespa foi de R$ 27,35 bilhões.

Na mínima, nesta quinta-feira, o índice atingiu 80.168 pontos (-3,61%) e, na máxima, 83.169 pontos (-0,00%).

Já o dólar subiu 1,56% nesta quinta-feira, na compra a R$ 5,4377 e, na venda, a R$ 5,4387. Em 12 meses, a moeda americana acumula alta de 38,70%.

Recuperação

Segundo a equipe de análise da Wisir Research, o retorno gradual das atividades econômicas de alguma das principais economias do mundo ajudaram a bolsa brasileira a engatar a alta.

“O mês de maio, além de toda a mística que o envolve e costuma preparar os ânimos dos mais experientes para um mês historicamente problemático, ganha agora triggers ainda mais imprevisíveis”, destaca Filipe Teixeira, da Wisir.

Conforme Teixeira, há incertezas sobre o pico de contaminação e seu impacto no sistema público de saúde brasileiro.

Adicionalmente, o clima em Brasília deverá seguir em alta temperatura, após as trocas de dois ministros de alta popularidade: Sergio Moro (Justiça) e Henrique Mandetta (Saúde).

Ao menos, a cadeira da Economia, liderada por Paulo Guedes, deve seguir sem troca de dono.

Desemprego

No radar dos investidores nesta sexta-feira, destaque para os indicadores de desemprego, que já assimilam os efeitos da pandemia.

Nos EUA, os novos pedidos de auxílio-desemprego somaram 3,839 milhões na semana encerrada em 25 de abril, o que representou uma queda de 603 mil novos pedidos da semana anterior.

Apesar da retração, o número ainda é alto e ficou acima das expectativas do mercado.

Além disso, houve frustração com a não divulgação, pelo Banco Central Europeu, de uma compra de ativos para ajudar na recuperação da economia fortemente abalada pela crise do coronavírus.

Essa ajuda era esperada pelos investidores. Pela manhã, a agência Eurostat divulgou um recuo de 3,8% no PIB da zona do euro e de 3,5% da União Europeia.

No Brasil, a taxa de desemprego no Brasil, medida pelo IBGE, atingiu 12,2% no primeiro trimestre de 2020, contra 11,6% no trimestre encerrado em fevereiro.

Os dados não mostram, ainda, os impactos da paralisação da economia, pois a medição foi feita no final de março.

Balanços

Depois de Facebook e Microsoft divulgarem resultados bons, apesar da pandemia, hoje o McDonald’s reportou vendas de US$ 4,71 bilhões nos primeiros três meses do ano, um recuo de 3,4% no critério mesmas lojas, decorrente do fechamento de restaurantes. O lucro por ação recuou 17%, de US$ 1,72 um ano antes para US$ 1,47 agora.

No Brasil, o destaque ficou por conta do balanço do Bradesco, que mostrou os resultados preliminares da crise, informando um recuo de 39% no lucro líquido, para R$ 3,753 bilhões.

Em teleconferência, o presidente da instituição, Octavio de Lazari, rebateu o governo federal ao dizer que o banco não empoçou dinheiro que deveria destinar às empresas por conta do coronavírus.

A redução foi em razão de um maior provisionamento para devedores duvidosos, visando fazer frente à pandemia, que deve elevar os níveis de inadimplência, falências e desemprego. O provisionamento somou R$ 2,7 bilhões.

A Multiplan, por sua vez, registrou no primeiro trimestre de 2020 um lucro líquido de R$ 177,7 milhões, avanço de 93,3% frente a igual período de 2019.

Os números da Multiplan ainda não refletem integralmente o fechamento dos shoppings, que ocorreu no final de março.

Petróleo

O preço da petróleo segue em recuperação, com WTI ultrapassando 26,36% de aumento, enquanto o Brent saltou 23,64%.

As cotações saltaram com a expectativa de reabertura das economias  e com um aumento menor do que o esperado nos estoques dos EUA, segundo a CNBC.

B3

Ações quinta-feira

Mais negociadas

  • Bradesco PN (BBDC4): -6,98%
  • Via Varejo (VVAR3): -0,22%
  • Cogna (COGN3): -1,79%

Maiores quedas

  • Smiles (SMLS3): -8,87%
  • Iguatemi (IGTA3): -7,68%
  • Bradesco PN (BBDC4): -6,98%
  • Gol (GOLL4): -7,05%.
  • Cyrela (CYRE3): -6,85%

Maiores altas

  • Marfrig (MRFG3): +2,64%
  • BB Seguridade (BBSE3): +2,12%
  • Suzano (SUZB5): +1,78%
  • Azul (AZUL4): +1,64%
  • Klabin (KLBN11): +1,48%

Bolsa brasileira em um ano

ibov-1-ano

Fonte: TradingView

Nova York

  • S&P: -0,92%
  • Nasdaq: -0,28%%
  • Dow Jones: -1,17

Petróleo

  • Brent (julho 2020): US$ 25,39 (+12,64%)
  • WTI (junho 2020): US$ 19,09 (+26,76%)

Europa

  • DAX, Alemanha: -2,15%
  • FTSE, Reino Unido: -3,43%
  • CAC, França: -2,12%
  • FTSE MIB, Itália: -2,19%
  • Stoxx 50: -2,27%

Ásia

Os mercados da Coreia do Sul e de Hong Kong não tiveram pregões nesta quinta, por conta de um feriado.

  • Nikkei, Japão: +2,14%
  • Xangai, China: +1,33%
  • ASX 200, Austrália: +2,39%