Ibovespa recua 29,9% em março, pior trimestre desde 1994

Omar Salles
null
1

Crédito: Divulgação

O Ibovespa fechou em queda de 2,17% nesta terça-feira, seguindo Nova York, onde nem o fato positivo do dia – a recuperação da economia chinesa em março – conseguiu manter a alta da bolsa.

O principal índice brasileiro fechou a sessão aos 73.019,76 pontos. Em março, o Ibovespa acumulou perda de 29,90%. Já no ano, a perda acumulada é de 36,86%. A perda mensal foi a maior desde 1998 para um mês de março. Já a perda trimestral foi a maior desde 1994.

Em uma sessão volátil, a bolsa americana abriu em queda, mas avançou após o dado do índice de confiança (Conference Board) recuar abaixo das expectativas. O Ibovespa acompanhou Nova York.

Na mínima, a bolsa brasileira atingiu os 73.820 pontos e, na máxima, chegou aos 75.511 pontos.

O dólar avançou 0,31% no dia, a R$ 5,196,60 à vista.

Ações

Entre as ações com maior giro, o destaque negativo fica por conta da Cogna Educação (COGN3), que desabou 20,95%, após divulgar balanço.

A Cogna registrou prejuízo de R$ 168,31 milhões no quarto trimestre de 2019, revertendo lucro de R$ 87,947 milhões registrado no mesmo período do ano passado.

Outro papel em destaque foi o da Petrobras. As ações PN (PETR4) e ON (PETR3) tiveram altas significativas, respectivamente, de 4,56% e 5,21%.

Os papéis da petroleira brasileira reagiam à melhora dos preços da commodities, pela manhã, após informações de que EUA e Rússia tentariam negociar para estabilizar as cotações.

Enquanto a pandemia do novo coronavírus abala a economia global, os preços do petróleo atingiram as mínimas em 18 anos.

Mesmo com a virada da cotação do Brent, as ações da Petrobras continuaram em alta.

Nova York

Em Nova York, o pregão da NYSE foi prejudicado pelo avanço da epidemia do coronavírus. Os Estados Unidos registraram 11 mil casos do Covid-19 desde a segunda-feira; o número de pessoas infectadas subiu para 174 mil, com 3.400 mortos até agora.

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, alertou que o coronavírus é “mais forte e poderoso do que esperávamos”. A metrópole americana tem 75.700 casos do Covid-19.

Veja o desempenho dos mercados no fechamento de hoje (17h34):

Nova York (Fechado)

  • S&P, -1,60%;
  • Nasdaq, -0,95%;
  • Dow Jones, -1,56%;

Europa (Fechado)

  • Dax, Alemanha, +1,22%;
  • FTSE, Inglaterra, +1,95%;
  • CAC, França, +0,40%;
  • FTSE MIB, Itália, +1,06%;

Petróleo

  • WTI, +1,90%, a US$ 20,40;
  • Brent, -0,26%, a US$ 26,35;

Ásia (Fechado)

  • Nikkei, Japão, -0,88%;
  • Shanghai, China, +0,11%;
  • HSI, Hong Kong, +1,85%

*Com informações de Rodrigo Petry, Cláudia Maia e Wisir Research