Ibovespa fecha em alta de 1,17% com impulso das ações da Eletrobras (ELET3) e siderúrgicas

Omar Salles
null
1

Crédito: Divulgação - Bolsa de Valores de São Paulo

Impulsionado pelas ações das siderúrgicas e da Eletrobras (ELET3), o Ibovespa fechou hoje em alta de 1,17%, aos 118.391,36 pontos. O índice da B3 conseguiu recuperar grande parte da queda da jornada anterior, avançando mais de mil pontos.

O Ibovespa conseguiu se descolar das bolsas internacionais, que hoje fecharam mistas: em Nova York, o Dow Jones fechou em leve queda, e as bolsas europeias também fecharam em terreno negativo, ainda com rescaldo dos temores da ameaça de uma pandemia do coronavírus na China. O dólar e o petróleo fecharam em forte queda.

Das 73 ações do índice, 56 fecharam em alta, 15 em baixa e duas estáveis. Com a alta de hoje, o índice acumula um avanço de 2,37% no ano. O volume negociado totalizou R$ 22,5 bilhões.

Guia definitivo sobre Renda Variável  e os Melhores Investimentos para 2021

AÇÕES– Ainda pela manhã, as ações da Usiminas (USIM5) receberam um forte impulso após a corretora Bradesco BBI publicar um relatório sobre o setor siderúrgico, no qual apontou a USIM5 como sua “top pick” por causa do potencial de valorização do papel da siderúrgica mineira. O relatório informou que as siderúrgicas realizaram um aumento de 5% nos preços dos aços planos no mercado brasileiro neste mês e planejam mais 5% em fevereiro; uma nova alta de 10% para março é negociada. As informações também deram impulso às ações da Companhia Siderúrgica Nacional (CSNA3). Usiminas fechou em alta de 11,93% para R$ 10,88, enquanto os papéis da CSN avançaram 6,96% para R$ 15,68.

Já as ações da Eletrobrás (ELET3) avançaram 5,59% para R$ 41,78. No caso da estatal elétrica, além do potencial de valorização indicado pelas corretoras, jornais publicaram a informação de que o governo federal deve enviar em breve ao Congresso o plano de privatização da empresa.

No lado da baixa, as ações dos frigoríficos, do comércio varejista e da Petrobras lideraram a queda. Jornais publicaram notícias de que a China renegociou contratos de importação de carnes bovina e suína com descontos de até 30%. O preço do petróleo sofreu hoje forte queda nos mercados internacionais, por causa do surto de coronavírus na China. Ações da Hypera Pharma (HYPE3) recuaram 2,49% para R$ 35,60, enquanto os papéis do frigorífico Marfrig (MRFG3) caíram 2,02% para R$ 12,10. As ações preferenciais da Petrobras (PETR4) recuaram 1,11% para R$ 29,29.

PETRÓLEO – O preço do petróleo fechou hoje em forte queda pelo segundo dia consecutivo, novamente por temores de que o surto do coronavírus na China se espalhe e reduza o consumo dos combustíveis. O preço futuro do WTI com entrega para fevereiro recuou 2,80% para US$ 56,74 na Nymex, enquanto o Brent para março caiu 2,13% para US$ 63,21. O ouro caiu 0,07% e fechou estável a US$ 1.556,70 a onça-troy.

DÓLAR O dólar fechou na maior queda desde 16 de dezembro. Alguns fatores contribuíram para a retração no mercado brasileiro, como a menor aversão ao risco observada hoje e também o fato de a moeda americana ter subido bastante nas jornadas anteriores, superando o patamar de R$ 4,2. Hoje o dólar à vista fechou em queda de 0,71%, cotado a R$ 4.175,30. O dólar futuro recuou 0,74% para R$ 4.184,00.

EUA Wall Street abriu em alta, embora sem euforia, e aos poucos cedeu o avanço da manhã e foi para o terreno negativo quando o pessimismo predominou. Ainda pela manhã, o Federal Reserve de Chicago informou que o índice de atividade na sua região caiu 0,35 pontos em dezembro – os economistas projetavam uma expansão de 0,30 pontos. As ações da Boeing tiveram novamente uma queda expressiva e pesaram sobre o índice Dow Jones, que foi para o negativo. O Dow Jones, contudo, fechou muito perto da estabilidade. O Nasdaq fechou com modesto avanço de 0,14%.

Veja o desempenho dos mercados:

Ibovespa [+1,17%] | 118.391,36 pontos
Dólar futuro [-0,74%] | R$ 4,184,00.
Dow Jones 30 [-0,03%] | 29.186 pontos
S&P 500 [+0,04%] | 3.322 pontos
Nasdaq   [+0,14%] | 9.383 pontos

(Com Wizir)