Bolsa cai 1,51% após relato de vídeo e NY; dólar vai a R$ 5,86

Marcia Furlan
Jornalista com mais de 30 anos de experiência. Trabalhou na Editora Abril e Agência Estado, do Grupo Estado, como repórter e editora de Economia, Política, Negócios e Mercado de Capitais. Possui MBA em Mercado de Derivativos pela FIA.
1

Crédito: Divulgação

A bolsa brasileira fechou a sessão desta terça-feira (12) com queda de 1,51%, aos 77.871 pontos, na mínima do dia.

Na máxima, o Ibovespa atingiu alta de 1,62%, aos 80.344 pontos.

Enquanto isso, o volume financeiro negociado na bolsa somou R$ 22,71 bilhões.

Com o pregão de hoje, a bolsa recua no mês 3,27% e, na semana, cai 2,98%.

Assim, o bolsa brasileira acompanhou o movimento de baixas dos mercados americanos.

Em Nova York, o Dow Jones fechou com retração de 1,89%, enquanto o S&P recuou 2,05% e o Nasdaq caiu 2,06%.

Já o dólar fechou com alta de 0,82%, cotado a R$ 5,86 – em novo recorde.

Bolsonaro

Após operar com leve alta ao longo do pregão, se descolando do exterior, os mercados no Brasil viraram para queda, por volta das 16h, com relatos sobre o vídeo de uma reunião ministerial.

Nela, o presidente Jair Bolsonaro teria afirmado que seus familiares e amigos estariam sendo perseguidos e poderiam ser prejudicados.

Conforme a Folha de S.Paulo, Bolsonaro não queria ser “surpreendido” porque, de acordo com ele, a Polícia Federal não repassava informações.

Em alerta a clientes, a XP Política avalia ser preciso esperar o vídeo da reunião para uma interpretação contextual da fala de Bolsonaro.

A corretora ressalta que o vídeo deve vir a público em algum momento e “aí cada um poderá fazer seu próprio juízo”.

A XP recomenda cautela e relembra o caso do áudio do ex-presidente Michel Temer.

“Entre a publicação de trecho e a liberação de todo o áudio houve diferença significativa da interpretação do conteúdo”, afirmou.

Brasil

Por aqui, foi divulgada mais cedo a ata referente à última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), onde o colegiado reforça que deve cortar a taxa Selic em mais 0,75 ponto no próximo encontro.

Na semana passada, o comitê reduziu a taxa de 3,75% para 3,00%.

O IBGE revelou os resultados da Pesquisa Mensal de Serviços relativa a março, mostrando queda de 6,9% ante fevereiro.

Foi o pior resultado para um mês desde 2011, quando a pesquisa começou a ser feita. Em fevereiro, antes do Covid-19, o setor já tinha recuado 1%.

No campo político, pesquisa CNT/MDA apontou que a popularidade do presidente caiu junto à população brasileira em meio à crise do coronavírus.

A avaliação negativa subiu de 31% na última pesquisa, em janeiro, para 43,4% em maio. A avaliação positiva caiu de 34,5% para 32%. Os que consideram o governo regular caiu de 32,1% para 22,9%.

Bolsa ações

Das 75 ações que compõem o Ibovespa, 62 fecharam em baixa e 13 em alta.

Três companhias divulgaram balanços nesta manhã.

  • BTG (BPAC11): lucro ajustado de R$ 789 milhões, alta de 9,4%
  • Carrefour (CRFB3): lucro de R$ 425 milhões, queda de 15,8%
  • Banrisul (BRSR6): lucro de R$ 257,5 milhões, queda de 19,5%

Bolsa fechamento 

Maiores quedas

  • Braskem (BRKM5): -7,29%
  • Natura (NTCO3): -6,15%
  • Eletrobras (ELET6): -5,87%
  • Embraer (EMBR3): -5,70
  • Santander (SANB11): -5,18%

Maiores Altas

  • Minerva (BEEF3): +7,06%
  • IRB (IRBR3): +4,42%
  • Marfrig (MRFG3): +3,76%
  • Bradespar (BRAP4): +3,22%
  • Hapvida (HAPV3): +3,22

Bolsa cinco pregões

Fonte: TradingView

Exterior

Lá fora, os mercados estão divididos entre a necessidade de reabrir a economia pós-quarentena e a ameaça de novas ondas de coronavírus.

Alemanha, Coreia e China alertaram para o aumento de casos de Covid-19 com o relaxamento das medidas de isolamento social.

Também afetam os negócios novas divergências entre China e Estados Unidos sobre o acordo comercial, cuja primeira fase foi assinada em janeiro.

O presidente norte-americano, Donald Trump, acusa o país asiático pelo coronavírus e ameaça invalidar o acordo caso os chineses não efetuem as compras de produtos estipuladas na Fase 1.

E, na China, a imprensa e as autoridades falam em uma nova negociação que seja mais interessante ao país.

Nova York

  • S&P: -2,05%
  • Nasdaq: -2,06%
  • Dow Jones: -1,89%

Europa

  • DAX, Alemanha: -0,05%
  • FTSE, Reino Unido: +0,93%
  • CAC, França: -0,40%
  • FTSE MIB, Itália: +1,02%
  • Stoxx 50: +0,26%

Petróleo

  • Brent (julho 2020): US$ 29,98 (+1,18%)
  • WTI (junho 2020): US$ 25,78 (+6,79%)

Ásia

  • Nikkei, Japão: -0,12%
  • Xangai, China: -0,11%
  • HSI, Hong Kong: -1,45%
  • ASX 200, Austrália: -1,07%
  • Kospi, Coreia: -0,68%

 (Com Rodrigo Petry e Wisir Research)