Ibovespa avança 3,08%, mas perde fôlego no final com NY

Rodrigo Petry
Editor-chefe, com 18 anos de atuação em veículos, como Estadão/Broadcast, InfoMoney, Capital Aberto e DCI; e na área de comunicação corporativa, consultoria e setor público; e-mail: rodrigo.petry@euqueroinvestir.com.
1

O Ibovespa fechou a sessão desta terça-feira (7) com ganhos de 3,08%, aos 76.358 pontos, mas perdeu o fôlego no final do pregão, em linha com Nova York.

Após operarem em alta em boa parte do dia, as bolsas americanas fecharam com queda. As dúvidas quanto a um acordo para um corte na produção do petróleo pesaram.

Esperava-se para o início desta semana uma reunião com participação de Arábia Saudita e Rússia para definir sobre a redução na produção, mas que foi postegada e deverá ocorrer nesta quinta-feira (9).

Entretanto, há preocupações sobre o quanto um corte vá poder puxar os preços da commodity, já que as perspectivas são de uma desaceleração global.

Valorização

Adicionalmente, investidores avaliaram que os preços das ações em NY poderiam ter atingido um patamar de preços não condizentes com a realidade de paralisação da economia, relatou a CNBC,

Desde as mínimas em 23 de março, as principais médias do mercado acionário americano subiram cerca de 20%.

Outro ponto de atenção se refere à divulgação, nesta quarta-feira (7), pelo Federal Reserve (Fed), da ata da última reunião do comitê, quando reduziu, em reunião de emergência dos juros a zero.

Brasil

No Brasil, o volume financeiro negociado no Ibovespa foi de R$ 26,73 bilhões. Na mínima, o índice atingiu 74.078 pontos (+0,00%) e, na máxima, 79.855 pontos (+7,81%).

Na semana. a bolsa brasileira tem valorização de 9,81%, enquanto no mês avança 4,57%. No ano, o recuo atinge 33,97%.

Ibovespa em 5 sessões

ibov-5-dias-min

Fonte: TradingView

Já o dólar terminou a sessão com queda de 1,25%, cotado a R$ 5,2259 na compra e a R$ 5,2264 na venda. Na máxima, a moeda atingiu R$ 5,2512 e, na mínima, R$ 5,1847.

Ainda por aqui, o governo divulgou pela manhã detalhes de como será feito o pagamento do auxílio de R$ 600 aos trabalhadores informais.

A promessa é que as primeiras liberações comecem na próxima quinta-feira para quem fizer o cadastro hoje. A Caixa lançou um site e um aplicativo para fazer o pagamento.

Já o IBGE divulgou resultados do varejo em fevereiro, antes portanto das medidas de isolamento social que fecharam o comércio em quase todo o país. As vendas cresceram 1,2% em relação a janeiro e 4,9% sobre fevereiro de 2019.

Ações

As ações das companhias áreas fecharam com sinais distintos: Gol (GOLL4) valorizou-se 7,88%, ao passo que Azul (AZUL4) fechou estável.

Em projeções para o primeiro trimestre, a Gol disse esperar queda de 7% na demanda e de 4% na oferta.

Além disso, a Gol informou corte de custos, investimentos além de despesas com operações de hedge, e retirou todos os guidances de 2020 e 2021.

Já a Azul comunicou uma queda de 24,6% no tráfego e de 17,2% na oferta de assentos em março.

Já a Petrobras anunciou hoje a descoberta de óleo em um poço da Bacia de Campos, no bloco Sudoeste de Tartaruga Verde.

As ações da petroleira perderam o fôlego no final do pregão, mas fecharam com alta: PETR3, +2,54%, PETR4, +3,99%.

Na ponta de queda, a liderança ficou a Suzano (SUZB3), que recuou 7,07%. Os papéis da fabricante refletem as baixas cotações da celulose de fibra curta na China.

Veja o desempenho das ações:

Mais negociadas

  • Petrobras (PETR4), +4,44%
  • Vale (VALE3), +1,09%
  • Itau Unibanco (ITUB4), +3,92%
  • Bradesco (BBDC4), +3,66%
  • Lojas Renner (LREN3), +6,76%
  • Cogna (COGN3), +6,67%
  • Via Varejo (VVAR3), +1,83%

Nova York

  • S&P 500: -0,16%
  • Dow Jones: -0,12%
  • Nasdaq: -0,33%

Petróleo

  • WTI, -6,98%, a US$ 24,26
  • Brent, -1,60%, a US$ 32,52

Europa

  • Dax, Alemanha, +2,79%
  • FTSE, Inglaterra, +2,19%
  • CAC, França, +2,12%
  • FTSE MIB, Itália, +2,19%
  • STOXX600, +1,88%

Ásia

  • Nikkei, Japão, +2,01%
  • Shanghai, China, +2,05%
  • HSI, Hong Kong, +2,12%
  • ASX, Austrália, -0,65%
  • Kospi, Coreia, +1,77%

ta-e-ai

Em relatório, a Guide Investimentos destacou que a bolsa brasileira se beneficiou da dinâmica externa e operou com claro viés altista ao longo do pregão desta terça-feira.

“O otimismo pontual, decorrente de uma aparente continuidade na estabilização de casos de infectados na Europa, alimentou um maior apetite por ativos de risco brasileiros”, destacou.

“Tal dinâmica também se verificou para o câmbio, onde o real voltou a ganhar terreno contra o dólar, que registrou forte desvalorização no mercado internacional (DXY)”, acrescentou.

Para a Modal Mais, os mercados vão se afastando da zona de pânico de semanas anteriores, com circuit break e índice do Medo na estratosfera, passando a ganhar “maior equilíbrio e aparando excessos”.

“Se tivermos uma segunda onda (de aumento de casos do Covid-19), como pressupõem alguns infectologistas, a volatilidade acentuada nos mercados pode voltar, mas possivelmente não aquela atitude de pânico”, pontuou.