IBGE: produção industrial avança 3,2% em agosto; no ano, recuo é de 8,6%

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Rodrigo Felix Leal/AEN-PR

A produção da indústria nacional cresceu pelo quarto mês seguido e registrou alta de 3,2% em agosto, ante julho. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada nesta sexta-feira (02) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O indicador ainda não eliminou totalmente a perda de 27% acumulada entre março e abril, no início da pandemia de covid-19. Afinal, foi o período quando a produção industrial caiu ao patamar mais baixo da série. No acumulado no ano, a produção recuou 8,6%.

De acordo com a pesquisa, em relação a agosto de 2019, a indústria caiu 2,7%. Esse é o décimo resultado negativo seguido nessa comparação. Nos últimos 12 meses, a queda é de 5,7%.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Recuperação

Conforme o gerente da pesquisa, André Macedo, o resultado de agosto aponta que a indústria nacional está em recuperação após o agravamento das medidas para conter a pandemia.

“Há uma manutenção de certo comportamento positivo do setor industrial nos últimos meses. É um avanço bem consistente e disseminado entre as categorias, mas ainda há uma parte a ser recuperada”, disse.

Segundo a pesquisa do IBGE, o setor industrial está 2,6% abaixo do patamar de fevereiro, período pré-pandemia.

Macedo explicou que houve impacto devido ao isolamento social, afetando a produção em várias unidades no país. Muitas fecharam ou foram suspensas neste período.

Categorias

A pesquisa indicou que todas as grandes categorias apresentaram avanço em agosto frente a julho. Bens de consumo duráveis tiveram o maior crescimento, com 18,5%.

Bens de capital (2,4%), bens intermediários (2,3%) e bens de consumo semi e não duráveis (0,6%) também cresceram em agosto, mas abaixo da média da indústria.

Entre os ramos pesquisados, 16 dos 26 apresentaram aumento. O destaque de agosto foi veículos automotores, reboques e carrocerias, que cresceu 19,2%.

“A produção dos automóveis impacta não só dentro da categoria de bens de consumo duráveis, mas no setor industrial como um todo, porque influi na confecção de autopeças, caminhões e carros em geral”, explicou Macedo.

Houve influência no resultado da indústria os setores de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis. Foi um avanço de 3,9% e de indústrias extrativas, que cresceu 2,6%.

De acordo com a pesquisa, outras atividades que ajudaram no desempenho geral foram produtos de borracha e de material plástico (5,8%), couro, artigos para viagem e calçados (14,9%), produtos de minerais não-metálicos (4,9%), produtos alimentícios (1,0%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (11,5%), metalurgia (3,2%), produtos têxteis (9,1%) e produtos de metal (3,1%).

Por outro lado, segundo o IBGE, entre os dez ramos que tiveram redução na produção, produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-9,7%), perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (-9,7%) e bebidas (-2,5%) foram os que mais contribuíram para os impactos negativos.