IBGE prevê safra recorde de grãos para 2020; soja se destaca

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Elza Fiuza/Agência Brasil

A produção de grãos – cereais, leguminosas e oleaginosas – para 2020 pode ser 2,2% superior à registrada nos 12 meses do ano passado.

De acordo com informações do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a produção do mês de janeiro já atingiu esse percentual, superando em 5,3 milhões de toneladas a safra de 2019.

As 246,7 milhões de toneladas de grãos produzidas no mês tiveram como principais destaques milho, arroz e soja.

Conquiste sua Independência Financeira. Conheça os 4 Pilares para Investir

Somados, os três produtos representaram 93,2% da estimativa de produção e responderam por 87,2% da área a ser colhida.

Houve acréscimo também na área a ser colhida quando comparada com os números de 2019. Em janeiro de 2020 ela foi de 64,3 milhões de hectares, 1,7% superior ao ano de 2019 e 0,3% acima do mês anterior.

Recordes

Conforme os dados divulgados pelo IBGE, são esperados recordes na produção de soja e de algodão em 2020.

Os acréscimos para a soja podem ficar na casa dos 8,7%, que representam 123,3 milhões de toneladas, além de 1,6% para o algodão herbáceo (7 milhões de toneladas) e 1% para a safra de arroz (10,4 milhões de toneladas).

Decréscimo no milho

Os números mais recentes do IBGE mostram que 2020 pode apresentar decréscimos de 4,4% na produção final do milho – crescimento de 3,9% na primeira safra e queda de 7,3% na segunda.

Segundo o Instituto, a produção de milho está 4,4 milhões de toneladas menor, havendo decréscimo de 5,6% no rendimento médio, e aumentos de 0,8% na área a ser plantada e de 1,3% na área a ser colhida em relação a 2019.

Soja

Se em 2019 o cenário foi de retração para a soja, a expectativa para 2020 é positiva, com projeção de 123,3 milhões de toneladas, 8,7% superior à safra anterior.

O valor, se confirmado, alcançará um recorde histórico, superando a marca atingida em 2018, e representando cerca da metade do volume de produção nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas em 2020.

Variações principais

O Instituto divulgou também quais as principais variações entre janeiro de 2020 e dezembro do ano passado.

Pela ordem, destacaram-se as variações nas seguintes estimativas de produção em relação a dezembro: feijão 2ª safra (10,8%), castanha-de-caju (9,4%), milho 2ª safra (3,4%), sorgo (3,0%), milho 1ª safra (2,1%), mandioca (1,1%), feijão 3ª safra (0,9%), soja (0,8%) e feijão 1ª safra (0,5%). Já na produção do algodão herbáceo houve declínio (-1,2%).