IBC-Br aponta recuo de 5,9% na atividade econômica em março

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) apresentou um recuo de 5,9% em março.

O resultado se deve às medidas de paralisação das atividades econômicas em razão do isolamento social em meio à pandemia de coronavírus.

No trimestre, o recuo foi de 1,95% em relação aos três meses anteriores.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Na comparação com março do ano passado, houve queda de 1,52% na atividade econômica. E, em 12 meses, avanço de 0,75%.

IBC-Br

Projeções para o PIB além do IBC-Br

O IBC-Br tem divulgação mensal e é calculado pelo Banco Central. Já o PIB oficial é divulgado a cada três meses, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2019, o PIB brasileiro apresentou crescimento de 1,1%.

No Boletim MacroFiscal da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, divulgado no dia 13 de maio, o governo revisou sua estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2020. A expectativa é por uma queda de 4,7% no ano.

Na última previsão, de março, o governo esperava crescimento próximo a zero. Se a previsão for confirmada, será a maior recessão do Brasil em 120 anos, de acordo com o IBGE.

Outro parâmetro para o Produto Interno Bruto, o Boletim Focus, divulgado toda segunda-feira também pelo Banco Central, apresenta as projeções de mais de 100 instituições financeiras sobre a atividade econômica do país. De acordo com a última divulgação, o PIB deve recuar 4,11% até o final do ano.

No entanto, as expectativas vêm caindo a cada semana. Na semana anterior, o boletim do Banco Central indicava projeção de -3,76%. E duas semanas atrás, -1,96%.

Leia também: FGV aponta melhora na confiança do empresário e do consumidor
PIB dos EUA: previsão é de -4,8% no primeiro trimestre
Como investir com provável Selic a 2,25%?

Os benefícios de se ter um Assessor de Investimentos