IBC-Br aponta recuo de 5,9% na atividade econômica em março

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) apresentou um recuo de 5,9% em março.

O resultado se deve às medidas de paralisação das atividades econômicas em razão do isolamento social em meio à pandemia de coronavírus.

No trimestre, o recuo foi de 1,95% em relação aos três meses anteriores.

Conheça planilha que irá te ajudar em análises para escolha do melhor Fundo Imobiliário em 2021

Na comparação com março do ano passado, houve queda de 1,52% na atividade econômica. E, em 12 meses, avanço de 0,75%.

IBC-Br

Projeções para o PIB além do IBC-Br

O IBC-Br tem divulgação mensal e é calculado pelo Banco Central. Já o PIB oficial é divulgado a cada três meses, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2019, o PIB brasileiro apresentou crescimento de 1,1%.

No Boletim MacroFiscal da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia, divulgado no dia 13 de maio, o governo revisou sua estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) do país em 2020. A expectativa é por uma queda de 4,7% no ano.

Na última previsão, de março, o governo esperava crescimento próximo a zero. Se a previsão for confirmada, será a maior recessão do Brasil em 120 anos, de acordo com o IBGE.

Outro parâmetro para o Produto Interno Bruto, o Boletim Focus, divulgado toda segunda-feira também pelo Banco Central, apresenta as projeções de mais de 100 instituições financeiras sobre a atividade econômica do país. De acordo com a última divulgação, o PIB deve recuar 4,11% até o final do ano.

No entanto, as expectativas vêm caindo a cada semana. Na semana anterior, o boletim do Banco Central indicava projeção de -3,76%. E duas semanas atrás, -1,96%.

Leia também: FGV aponta melhora na confiança do empresário e do consumidor
PIB dos EUA: previsão é de -4,8% no primeiro trimestre
Como investir com provável Selic a 2,25%?

Os benefícios de se ter um Assessor de Investimentos