Iata vê recuperação do setor aéreo no Brasil e desafio grande na Argentina

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Foto: O colapso do setor aéreo mundial remodelará uma indústria trilionária

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) está otimista com a recuperação demonstrada pelo setor aéreo no Brasil após a forte crise.

Dúvidas sobre como investir? Consulte nosso Simulador de Investimentos

Nesta terça-feira o o vice-presidente do órgão para as Américas, Peter Cerdá, conversou com os jornalistas e fez uma análise do momento atual no País, que chegou a parar quase que por completo suas operações no início da pandemia da Covid-19.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

“O governo tem sido participativo. Vemos retomada e progresso”, elogiou o executivo.

Dany Oliveira, diretor da Iata no Brasil, endossou as palavras de Cerdá, mas ressaltou que o apoio prometido pelo governo ao setor aéreo, via BNDES, ainda não foi liberado às companhias.

“As aéreas ainda aguardam um termo mais favorável. Esperávamos por um desfecho em setembro, mas isso não aconteceu”.

Argentina, o maior desafio para a Iata

Peter Cerdá deixou claro durante a conversa com os jornalistas que, se o setor aéreo do Brasil começa a se recuperar, o mesmo não ocorre com a Argentina.

Aumente seus ganhos. Consulte nossa Planilha de Monitoramento de Carteira

De acordo com o executivo, as restrições aéreas encontradas no vizinho do Brasil são, hoje, as mais severas do mundo.

“Na Argentina, os aviões estão em terra por mais de seis meses. Mais do que em qualquer país no mundo. A situação estava difícil antes da covid, com a situação econômica”, comentou.

Segundo o executivo, o número de passageiros na América Latina deve fechar o ano com déficit de 55% em relação a 2019, confirmando o sofrimento do setor por conta da pandemia.

Sobre a Argentina, na visão de Cerdá, um dos problemas mais graves que a Argentina vem enfrentando é a falta de transparência do governo sobre a real situação do setor aéreo.

“Em maio se falava em retomar os voos no dia 1º de setembro. Estamos no dia 8 e ainda não temos um comunicado oficial apontando quando vai ser restabelecido o transporte aéreo”, criticou.

“Três companhias internacionais já decidiram não retomar o transporte no país”, completou, citando que uma delas foi a Latam, que encerrou em junho a saída do país após 15 anos em operação.

Demanda por voos cai quase 80%

A Iata divulgou, na primeira semana de setembro, seu mais recente relatório sobre a demanda por voos ao redor do planeta.

Segundo o órgão, a queda em relação à procura por voos (medida em passageiros quilômetros pagos, RPK) foi de 79,8% na comparação entre julho de 2020 e o mesmo mês do ano passado.

Apesar da grande diferença, o ponto a ser “comemorado” é que o dado apontou uma recuperação em relação aos números colhidos em abril.

Na ocasião, segundo a Iata, os números do setor chegaram a cair 94,1% na comparação entre este ano e 2019.

Planilha de Açõesbaixe e faça sua análise para investir