IATA: aéreas precisam reduzir custos em 30% para não ter prejuízo no ano

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), fez um alerta importante para as empresas aéreas, que seguem na luta para recuperar os números pré-pandemia.

De acordo com o órgão, será preciso uma redução na magnitude de 30% dos custos para que o setor possa alcançar um ponto de equilíbrio financeiro ainda em 2020.

Resumindo: se não houver cortes, a associação que representa 290 empresas aéreas em todo o mundo acredita que boa parte delas fechará o ano no vermelho.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

“Não temos certeza hoje se as empresas vão conseguir fazer esses ajustes”, afirmou Brian Pearce, economista-chefe da IATA, em contato com os jornalistas.

Receita global terá grande queda, segundo a IATA

De acordo com as estimativas da Associação, as receitas das empresas aéreas devem cair, em média, 51% na comparação com 2019.

A baixa acentuada é causada, principalmente, pelas medidas de combate à pandemia da Covid-19, que praticamente paralisou o setor em todo o mundo a partir de março.

Nos cálculos divulgados pela IATA, foi apontado que a receita menor exige das empresas mais esforços para cortar custos.

No último trimestre, no entanto, os custos unitários das empresas aéreas aumentaram 40% em comparação com o mesmo intervalo do ano passado.

Pearce aposta em recuperação lenta

O executivo da IATA mostrou pessimismo quando questionado sobre o prazo de recuperação do setor aéreo como um todo.

Segundo Brian Pearce, o cenário da volta está mais lento do que o previsto anteriormente.

“O turismo de negócios não deve voltar ao normal pelo menos nos próximos dois anos”, avisou.

Questionado a respeito do que espera para 2021, Pearce previu um cenário ainda difícil para o setor.

Segundo o executivo da IATA, o aumento nos gastos com combustível de aviação, que neste ano chegou a cair 42%, pode ser um fator complicador com a alta do petróleo.

Diretor da IATA pede ajuda dos governos

Alexandre de Juniac, diretor da IATA, ressaltou que a entidade reconheceu o momento difícil e a longa batalha que ainda será travada pela recuperação do setor.

Por conta disso, pontuou, em comunicado postado na página da organização, a necessidade de contar com a colaboração dos governos ao redor do globo em dois pontos fundamentais:

  • Alívio financeiro contínuo, em formas que não aumentem o peso das dívidas das empresas do setor aéreo;
  • Uso de testes sistemáticos antes da reabertura total das fronteiras, como forma de evitar a obrigatoriedade da adoção de novas quarentenas restritivas.

“Embora as notícias sejam desanimadoras, gostaria de lembrar a todos que a crise não matou a dedicação da aviação em busca de melhorias contínuas”, assegurou.

Leia também: Atração da Money Week, André Bacci largou o emprego para viver de renda