HSBC anuncia reformas após queda nos lucro e vai demitir 35 mil funcionários

Sabrina Oliveira
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução/Facebook

O banco britânico HSBC anunciou na última terça-feira (18), que o lucro antes dos impostos que não atendeu às expectativas dos analistas, sofrendo um prejuízo no ágio relacionado aos negócios de banco de investimento e banco comercial da Europa, e irá demitir 35 mil funcionários nos próximos três anos.

No anuncio, o HSBC relatou uma queda de 53% em seu lucro líquido em 2019, a 5,97 bilhões de dólares, com resultados em algumas atividades considerados “inaceitáveis”, de acordo com Noel Quinn. O maior banco da Europa em ativos irá passar por uma grande reforma que vai reduzir o número total de funcionários de 235.000 para cerca de 200.000 nos próximos três anos anos.

Em uma declaração que acompanha o comunicado, Quinn disse que a redução no valor de US $ 7,3 bilhões na Europa “surgiu de uma atualização das premissas de crescimento econômico de longo prazo, que impactaram vários de nossos negócios” e da “reformulação planejada” da economia global do banco. negócios bancários e de mercados.

“O desempenho do grupo em 2019 resistiu bem, mas alguns departamentos de nossas atividades não estão produzindo rendimentos aceitáveis”, declarou o CEO do grupo interino.

O plano de cortes pretende reduzir em particular as operações nos Estados Unidos e na Europa.

O HSBC enfrenta muitas incertezas, provocadas pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, a saída do Reino Unido da União Europeia e agora o novo coronavírus na China. As atividades do grupo registraram bons resultados na Ásia nos últimos anos, lideradas principalmente pela China, mas Europa e Estados Unidos apresentam números decepcionantes.

“Desde o início de janeiro, o surto de coronavírus criou uma interrupção significativa para nossa equipe, fornecedores e clientes, principalmente na China continental e em Hong Kong”, disse ele.

“Dependendo de como a situação se desenvolve, existe o potencial de qualquer desaceleração econômica associada impactar nossas perdas de crédito esperadas em Hong Kong e na China continental”, acrescentou. “A longo prazo, também é possível que possamos ver reduções de receita com menores volumes de empréstimos e transações e mais perdas de crédito decorrentes de interrupções nas cadeias de suprimentos de clientes”.

Reestruturação do HSBC

Junto com o anuncio dos resultados do ano passado, o HSBC também delineou sua estratégia de negócios.

O banco disse que planeja suspender as recompras de ações para 2020 e 2021, ao empreender um “alto nível de reestruturação” nos próximos dois anos.

A reestruturação planejada do HSBC, que deverá reduzir o número de funcionários em cerca de 35.000, inclui:

  • Empresas europeias: reduzir as vendas e o comércio e a pesquisa sobre ações na Europa; recursos de produtos estruturados de transição do Reino Unido para a Ásia
  • Empresas nos EUA: reduzir a rede de agências em 30% e reposicionar-se como um “banco corporativo internacional focado no cliente”, com oferta de varejo direcionada
  • Bancos e mercados globais: transferir mais recursos para a Ásia e o Oriente Médio, mantendo o centro global de bancos de investimento em Londres
  • Nível de grupo: consolidar o banco de varejo e o gerenciamento de patrimônio e o banco privado global em uma nova divisão chamada banco de patrimônio e pessoal

 

 

 

*Informações retiradas da CNBC