Hora de comprar ou vender ações?

Cláudia Zucare Boscoli
Jornalista formada pela Cásper Líbero, com pós-graduação em Jornalismo Econômico pela PUC-SP, especialização em Marketing Digital pela FGV e extensão em Jornalismo Social pela Universidade de Navarra (Espanha), com passagens por IstoÉ Online, Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e Editora Abril.
1

Crédito: Reprodução/iStock Photos

Para quem quer entrar na bolsa, sempre surge a dúvida: qual é a hora certa de comprar ou vender ações?

A regrinha básica é conhecida: compra na baixa, vende na alta.

Mas é preciso atenção a um detalhe importante: é sempre melhor investir em valor, ou seja, em empresas produtivas, que apresentam lucros sustentáveis e consistentes.

Comprar na baixa ações de uma empresa em decadência não será um bom negócio. Porque ela pode não se recuperar, nem a longo prazo.

Assim como vender ações de uma empresa que não para de valorizar também não é inteligente. Isso porque se estará abrindo mão de uma valorização ainda maior que, possivelmente, virá no futuro.

É preciso lembrar sempre que quanto mais uma empresa produz, mais as pessoas vão querer comprar suas ações e, consequentemente, o preço de cada ação individual aumenta.

Então, a regra básica passa a ser: comprar quando a ação de uma empresa boa estiver a um preço justo ou barato, por circunstâncias que apontem que o negócio tende a melhorar.

E vender quando tiver sinais de que a empresa por trás da ação começou a ter prejuízos e a tendência não é animadora.

Para fazer essa análise, é importante acompanhar todas as informações disponíveis da empresa, desde balanços, notas sobre o setor e possíveis impactos da economia e da política nessa companhia. Também é relevante acompanhar o preço dos ativos e ver se o preço da ação está em ascensão ou queda. Boa sorte!