Cia Hering (HGTX3) e Soma (SOMA3): entenda mais sobre a fusão de R$ 5,1 bi

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Surpreendendo o mercado, num negócio fechado em tempo recorde, o Grupo Soma (SOMA3) e a Hering (HGTX3) anunciaram um acordo de associação.

Isso acontece duas semanas depois da oferta da Arezzo (ARZZ3) sobre a Hering, que foi negada e considerada hostil.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Enquanto o Grupo Soma avaliou a Cia Hering em R$ 5,1 bilhões, a oferta da Arrezo foi de R$ 3 bilhões.

A reação do mercado foi imediata. As ações da Cia Hering dispararam, fechando com alta de 26%, enquanto as do Grupo Soma recuaram 10%. Já as ações da Arrezo terminaram com retração de 3,2% e o Ibovespa estável.

Fusão Grupo Soma (SOMA3) e a Cia Hering (HGTX3)

A fusão prevê a incorporação das ações da Hering por uma subsidiária do Grupo Soma, com emissão, em favor dos acionistas da empresa, de ações ordinárias e preferenciais resgatáveis.

Para cada ação ordinária de emissão da Hering, serão entregues 1 ação ordinária e 1 ação preferencial da nova companhia. Esta será posteriormente incorporada pelo Grupo Soma. Além disso, será pago aos acionistas da Hering R$ 9,630957 por ação ordinária mais 1,625107 ação ordinária da companhia.

O valor total, portanto, é de R$ 3,64 billhões em ações da Soma acrescido de R$ 1,5 bilhão em caixa. Os acionistas da Hering devem ficar com cerca de 34% da companhia combinada.

Fabio Hering, presidente da empresa, deverá ocupar uma cadeira no conselho da nova empresa. E seu filho, Thiago Hering, deve liderar a marca.

Vale lembrar que o Grupo Soma fez sua estreia na bolsa há menos de um ano. O grupo pretende aproveitar o parque industrial da Hering e incrementar a venda online das marcas, atingindo todos os segmentos, do básico ao luxo.

O fechamento da negociação está sujeito à aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Em apresentação ao mercado, as empresas divulgaram que a finalização do negócio, contando com Assembléias dos Acionistas e a aprovação do Cade, deve ser entre o final de junho e meio de julho.

Momento da Hering

De acordo com Pedro Serra, gerente de Research da Ativa Investimentos, as companhias acreditam que a junção aumenta o mercado endereçavel. “Além do alcance de sinergias operacionais que deve alavancar a margem bruta, como também através de maior eficiência em despesas e investimentos”, afirmou.

Conforme Serra, o Soma Labs pode ajudar e acelerar o turnaround da Hering, em todas as etapas de cadeia de valor.

André Pimentel, sócio da Performa Partners, afirma que a Hering está passando por um momento de reestruturação. “Faz bastante sentido que uma companhia com o apetite como a Soma encontre condições vantajosas pra fazer uma fusão com uma companhia que tem boa marca e que precisa de apoio”.

O grande desafio é, entretanto, o processo de integração da Hering. “Isso, provavelmente, deve estar tirando o grupo da busca por novas aquisições por um bom período”, afirma. André explica que, as prioridades serão internas e a integração total da operação deve tomar ao menos dois anos do Grupo Soma.

Possibilidades

Pimentel adiciona que há outras possibilidades para a Hering, mesmo da Arezzo. “É importante notar é que o jogo ainda não acabou. Os acionistas da Hering tem que concordar com esse movimento. Não me surpreenderia se viesse uma contraproposta de alguma concorrente, mesmo da propria Arezzo”.

“Obviamente, ela teria que ponderar bastante o valor, já que é quase 80% superior ao que tinha oferecido antes. Além de gastar mais, ela teria o desafio operacional do turnaround da Hering e a integração dela nas operações da Arezzo”, afirmou.

Entretanto, ele acredita que o momento é único no setor varejista e talvez valesse o esforço.

Objetivos estratégicos

O lado estratégico da fusão das empresas vem especialmente do parque industrial muito relevante da Hering. Ainda mais, pelo lado tradicional da empresa no mercado varejista de vestuário, a expectativa é que o Grupo Soma consiga equilibrar, a partir de então, algumas de suas necessidades sobre o comércio exterior.

“Ou seja, em vez de importar alguns itens, eles podem ser feitos nas instalações industriais da Hering ou aproveitar a sua rede de fornecedores para isso”, ressalta André pimentel. “Os ganhos de sinergias que vão ser obtidos nessa fusao vão trazer benefícios bastante significativos, principalmente para a Hering”.

Apesar de no curto prazo não mudar muito para o consumidor, de forma que as empresas darão continuidade de forma independente, é esperado mudanças no médio e longo prazo. Deve se ver melhoras no e-commerce da Hering, e mais tarde, novos produtos, conforme o ganho de sinergias e know-how entre as companhias.

Sobre o Grupo Soma

O grupo é a maior plataforma de marcas de moda premium do país, destinadas ao público A e B, em termos de receita líquida. “A companhia está entre as 50 maiores empresas do e-commerce brasileiro, e é o líder do e-commerce no setor de varejo de moda brasileiro. Por meio de seu portfólio diversificado e complementar de marcas de alto padrão, consegue cobrir uma grande variedade de estilos e ocasiões para mulheres, homens e crianças”.

Quem é o Grupo Soma (SOMA3) que comprou a Hering (HGTX3)

A companhia possui as marcas Animale, Farm, Fábula, A.Brand, Foxton, Cris Barros, Off Premium, Maria Filó e mais recentemente NV. Suas marcas são comercializadas para mais de 900 mil clientes em mais de 221 lojas próprias, distribuídas em 22 estados brasileiros e 2 estados americanos, e, ainda, para cerca de 3 mil revendedores multimarcas.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3