Helbor (HBOR3) reduz capital social para R$ 1,3 bi

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Foto: Helbor

A Helbor Empreendimentos (HBOR3) comunicou na sexta-feira (10) a redução do capital social da companhia no valor de R$ 440.270.773,66

A medida ocorre sem o cancelamento de ações, mantendo-se inalterados os percentuais de participação dos acionistas no capital da companhia. O objetivo é absorver prejuízos acumulados conforme apurado nas demonstrações financeiras referentes ao exercício social finalizado em dezembro de 2019.

Assim, a redução faz com que a Helbor fique com um capital social de R$ 1,31 bilhão. Este valor ficará dividido em 133.851.072 ações ordinárias.

Simule o rendimento de seus investimentos em Renda Fixa e calcule retorno das aplicações

 

Helbor faz agrupamento de ações

Desta forma, será realizado um grupamento das ações de emissão da companhia, na proporção de 5 ações para 1 ação. Assim, cada lote de 5 ações da Helbor será grupado em uma única ação, sem modificação do capital social.

Segundo a Helbor, o grupamento tem como objetivo proporcionar o atingimento de um valor mais adequado para negociação das ações de emissão da companhia face ao momento do mercado de valores mobiliários brasileiro. E, ao mesmo tempo, favorecer a dispersão e liquidez das ações da empresa no mercado secundário.

No primeiro trimestre de 2020, a Helbor reportou lucro líquido de R$ 5,44 milhões. No mesmo período de 2019, a empresa tinha registrado prejuízo de R$ 39,27 milhões.

 

Restoque (LLIS3) esclarece notícia sobre faturamento

A Restoque (LLIS3) esclareceu na sexta-feira (10) uma notícia veiculada no Valor Econômico sobre o faturamento da empresa.

Em ofício, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) questionou que em fato relevante a Restoque informou projeção de queda de aproximadamente 60% no faturamento de 2020, mas ao jornal o diretor-presidente da Restoque antecipou que a queda nas vendas seria de 37%.

Em resposta, a Restoque afirmou que diante da situação envolvendo a pandemia de Covid-19, decidiu em caráter excepcional e visando maior transparência perante aos stakeholders, divulgar por meio do fato relevante, de 19 de maio de 2020, as expectativas que possui em relação ao futuro de seus negócios.

As projeções financeiras para os exercícios sociais de 2020 a 2025 incluíam a expectativa de queda de faturamento de R$ 504 milhões em 2020, correspondendo a uma redução de 40% no seu faturamento em relação a 2019. Ou seja, de R$ 1,254 bilhão em 2019 para R$ 750 milhões em 2020.

Segundo a empresa, a matéria do Valor Econômico se baseou nas informações divulgadas na teleconferência de divulgação de resultados do 1º trimestre de 2020 e no release de resultados que reiterou ao mercado a perspectiva de queda de 37% de receita líquida anual em 2020. Ou seja, de R$ 954 milhões em 2019 para R$ 596 milhões em 2020, em linha com a queda de faturamento mencionada antes.