Havan é a oitava empresa a desistir de IPO em outubro

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Lucas Tavares / Agência O Globo

A varejista Havan desistiu de sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) nesta terça-feira (27).

A desistência foi divulgada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). 

Só em outubro, oito empresas nacionais já desistiram dos planos de listagem na B3.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

A companhia havia protocolado o pedido em 27 de agosto de 2020.

A varejista pretendia levantar até R$ 10 bilhões em sua estreia na B3. Em 30 de junho de 2020, o capital social da Havan era de R$ 300 milhões.

52 companhias estão na fila do IPO: confira a lista aqui

Revés

O movimento é um revés para o empresário Luciano Hang. Com a oferta, Hang planejava vender uma fatia da icônica cadeia de lojas que têm na fachada réplicas da Estátua da Liberdade.

De acordo com o que foi divulgado inicialmente, os recursos seriam direcionados para expansão de lojas e do centro de distribuição, abertura de novas lojas e suporte do crescimento orgânico.

Além de investimentos em tecnologia e reforço no capital de giro.

Nas últimas semanas, a mídia brasileira publicou que o empresário estava tendo dificuldades para levar adiante a operação. A razão seria que investidores não aceitaram avaliar a companhia em cerca de 100 bilhões de reais, como Hang pretendia.

A desistência da Havan sublinha ainda a volatilidade do mercado de ofertas de ações no Brasil.

Mesmo batendo recordes em 2020 com a queda do juro básico à mínima recorde de 2% ao ano, também sente as incertezas quanto aos efeitos econômicos da Covid-19.

Sobre a Havan

A Havan acredita ser a única empresa do mercado brasileiro que apresenta um modelo de varejo disruptivo, one-stop-shop.

A empresa busca vender “de tudo para todos”. Além de oferecer um mix de produtos diversificado (que chega a mais de 320 mil SKUs durante o ano).

Ao mesmo tempo, a Havan acredita ser capaz de proporcionar uma experiência de compra diferenciada aos seus clientes, com espaços amplos e organizados, concessão de crédito (via cartão Havan), praças de alimentação e até cinemas, fidelizando os nossos clientes e tornando-os fãs da experiência e da marca Havan.

Conforme o prospecto, a companhia atingiu o Net Promoter Score (NPS) de 86 em junho de 2020 e a recorrência de compra média por cliente de mais de seis vezes ao ano.

Por fim, em março de 2020, a Havan anunciou processo de transformação digital, com lançamento de diversos produtos e serviços.

Isso permitiu a solidificação de sua marca como omnichannel e o crescimento de suas vendas por via digital.

Telefônica (VVT4) deve ter alta e Tim (TIMS3) queda no lucro do 3TRI20

Bradesco (BBDC4): lucro recorrente deve subir 21,9% frente 2T20