Em evento, Paulo Guedes responsabiliza imprensa por alta do dólar

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução/Agência Senado

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participou nessa quinta-feira (5) do lançamento do Conselho Superior Diálogo pelo Brasil, na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), e respondeu aos questionamentos da imprensa ao lado do presidente da entidade, Paulo Skaf. Uma das suas respostas apontou a culpa para a imprensa sobre a alta do dólar.

“Isso aí (flutuação do câmbio) era perfeitamente previsível. (o dólar) está indo para 4,30, 4,40. Bom, tem o coronavírus, a desaceleração da economia mundial, tem a incerteza. Havia a incerteza, o que vocês estavam dizendo há um, dois dias atrás? Tá havendo choque entre Congresso e o presidente, não tá havendo coordenação política, quer dizer, se está havendo esse frisson todo, o dólar sobe um pouco”, disse.

“Se vocês (da imprensa) estiverem menos nervosos daqui a um mês e verem as mudanças que estão acontecendo, o dólar melhora”, disse, em tom de ironia.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Guedes fala do PIB

Paulo Guedes e Paulo Skaf tentavam manter a calma diante das perguntas, mas emitiam um tom que se misturava entre a busca por boas notícias e a ironia.

“É um câmbio que flutua. Se fizer muita besteira pode ir para esse nível (a R$ 5). Se fizer muita coisa certa, ele pode descer”, disse.

Sobre o Produto Interno Bruto, que em 2019 ficou em 1,1% e voltou aos níveis de 2013, Guedes chegou a dizer que ele mesmo havia afirmado que a economia cresceria 1% no primeiro ano e 2% no segundo ano: “quem disse (que cresceria) mais está revisando o que disse. Eu não estou frustrado. Pra mim está crescendo o que iria crescer”.

Também brincou com a turbulência pela qual passa o país. Para ele, é porque o modelo econômico mudou: “agora o modelo é 4 por 4, tração nas quatro rodas. Juro caiu de 15% para 4%. Câmbio que era R$ 1,80 subiu para R$ 4”, sem entrar em explicações mais aprofundadas.

Paulo Guedes ainda teve tempo de ironizar o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), órgão responsável por compilar e divulgar os dados do PIB: “em 2018, eles estimaram que seria 1% e reviram para 1,3%. Se o IBGE mantiver os 30% de erro, vai subir de 1,1% para 1,4%”.

O Conselho Superior Diálogo pelo Brasil

Formado por empresários do porte de André Gerdau (Gerdau), Philipp Schiemer (Mercedes-Benz), Patrick Mendes (Accor), Fábio Coelho (Google), Jerome Cadier (Latam Airlines), Juliana Azevedo (P&G) e Luiz Carlos Trabuco (Bradesco), o Conselho coordenado por Skaf reúne 40 empresários e presidentes de grandes companhias que estimam possuir valor de mercado de R$ 5 trilhões no Brasil.

Para Guedes, essa é uma boa iniciativa: “vimos que está disparando o investimento”.

LEIA MAIS
PIB cresce 1,1% em 2019 e desacelera com governo Bolsonaro

Mansueto Almeida diz que PIB de 1% “não é normal” e contraria Paulo Guedes