Guedes quer reformas para suavizar crise internacional

Tatiane Lima
Jornalista, redatora sênior. Tecnóloga em Recursos Humanos e MBA em Comunicação e Marketing. Apaixonada por empreendedorismo criativo. Atuei nos três setores, com hard news, jornalismo on, off e redação publicitária.
1

Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, manifestou, ontem (10), em ofício ao Congresso, o desejo em acelerar a pauta de reformas econômicas. Segundo a Folha de S. Paulo, o ministro demonstra que deve proteger a economia brasileira dos impactos da crise internacional devido à epidemia do coronavírus. Isso porque ele considera que a aprovação de medidas, que atendem aos interesses do governo, favorecerá os estímulos positivos à economia.

De acordo com a Folha, o comunicado foi direcionado aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Guedes listou 19 projetos que tramitam em ambas as Casas, assim como anexou um documento com 48 propostas. Dentre elas, a autonomia do Banco Central e as novas normas da recuperação judicial de empresas e a privatização da Eletrobras. Bem como marcos legais dos setores elétrico e de gás, ferrovias, saneamento e o pedido de aprovação do Plano Mais Brasil.  Em trechos do texto, publicado pela Folha, Guedes defende que acelerar a votação de matérias seria uma forma de defesa. “Considerando o agravamento da crise internacional em função da disseminação do coronavírus e a necessidade de blindagem da economia brasileira, o Ministério da Economia propõe acelerar a pauta que vem conduzindo junto ao Congresso Nacional.”

A recepção a Guedes

Ainda segundo a Folha, o presidente Jair Bolsonaro negou a crise e minimizou as preocupações em torno do assunto. O posicionamento foi exposto, nos Estados Unidos, em evento organizado por empresários brasileiros. A declaração de Bolsonaro aconteceu após a maior queda da Bolsa do século e de alterações no preço do petróleo. Diante da análise de especialistas do mundo todo, uma crise global parece inevitável. Por isso, Guedes tem buscado atender ao apelo de economistas e políticos por mais investimento na área. Conforme a Folha, o ministro disse que a presidência enviará a reforma administrativa, sobre a carreira e salário dos servidores. E que o governo está trabalhando para finalizar a tributária. No entanto, para o presidente da Câmara, somente a estratégia de Guedes pelas reformas não é suficiente para a economia. Porém, para a equipe da pasta, a ordem é manter e acelerar as reformas, sem medidas adicionais.