Guedes: reforma administrativa será encaminhada ao Congresso em até três semanas

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Crédito: Reprodução/Agência Brasil

O ministro da Economia Paulo Guedes afirmou, nesta quita (30), que a reforma administrativa elaborada pelo governo seguirá para discussão e tramitação no Congresso Nacional em duas ou até três semanas.

A declaração foi feita no evento em São Paulo da CLP (Central de Liderança Política). Guedes disse que há entre o Legislativo e o governo federal uma boa relação de boa cooperação para dar andamento à proposta de refirma administrativa.

O retorno do recesso do Congresso será no dia 2 de fevereiro. “Em duas semanas, teremos a reforma tramitando no Congresso”, disse o ministro, que revelou ter lembrado ao presidente do Congresso para “acelerar o processo”.

Análises e Resumos do mercado financeiro com leituras de 5 minutos. Conheça a EQI HOJE

Simples de aprovar

“Será uma reforma simples de aprovar”, garantiu Guedes. O ministro lembrou que a retirada das mudanças para os servidores, que endurecem regras de contratação, valem mesmo apenas para os novos funcionários. Segundo Guedes, esse ponto facilitará a tramitação no Congresso.

“Não queremos que haja impacto sobre os servidores que estão na ativa”, reforçou Guedes.

O ministro disse também que a reforma é mais uma investida contra “a ineficiência do estado brasileiro”, que ajudará, como a Reforma da Previdência, no controle de gastos do Estado.

Resistência às reformas

A reforma só não foi enviada antes ao Congresso porque, segundo Guedes, o governo esperava que protestos no Chile poderiam influenciar negativamente a tramitação. “A oposição iria impor mais resistência às reformas”, alegou Guedes.

“Essa reforma não vai afetar os servidores atuais”, voltou a ponderar Guedes.

“Quanto mais tempo demorar para enviar a reforma ao Legislativo, maior vai ficar a resistência no Congresso”, lembrou ele.

Reforma tributária

O ministro falou ainda no evento sobre a reforma tributária e do pacto federativo. “Podem ser aprovadas este ano ainda este ano”, afirmou Guedes.

“Os temas irão em separado, para facilitar a tramitação”, disse Guedes.