Guararapes (GUAR3) reforça investimento no e-commerce

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.

Crédito: Divulgação

A Guararapes (GUAR3) realizou teleconferência para apresentação dos resultados do primeiro trimestre, nesta manhã de sexta (22).

A conferência foi dirigida pelo CEO da companhia, Oswaldo Nunes e Tulio Queiroz, CFO.

Os executivos destacaram o aumento das vendas mesmas lojas nos dois primeiros meses do trimestre, que foi impactado pelo fechamento das lojas na segunda quinzena de março em função da pandemia, o que fez as vendas recuarem no período.

As vendas em mesmas lojas cresceram 12,1% em janeiro, 12,8% em fevereiro e decresceram 38,4% em março, totalizando um decréscimo de 5,2% no trimestre.

Fonte: Guararapes

Vendas pela internet avançam na pandemia

Em meio a pandemia, a operação de e-commerce da Guararapes se destacou positivamente com crescimentos significativos. Com os fechamentos das lojas físicas os esforços foram direcionados nesta operação.

A companhia suspendeu todos os investimentos com exceção das frentes de tecnologia e de desenvolvimento dos canais digitais.

Além dos desafios relacionados à navegabilidade para melhorar a conversão do fluxo em vendas que já estavam em pauta para este ano, o processo logístico também precisou ser ajustado para garantir o atendimento e entrega de um volume muito maior de pedidos em menor tempo.

De acordo com Nunes, a companhia tem múltiplos pontos de contato com o cliente na frente digital, com mais de trinta milhões de clientes cadastrados.

“Consumidor será mais digital após a crise do novo coronavírus”, afirmou o CEO.

Para o executivo, o consumo de moda volta a crescer a medida que a economia também voltar a crescer.

Guararapes informa retomada gradual

Com relação a reabertura das lojas físicas, a Guararapes vem retornando gradualmente, de acordo com as normas das autoridades de saúde.

Atualmente, 80% das lojas físicas estão fechadas. Outros 20% de lojas abertas representam 15% das vendas da companhia.

O setor de empréstimo pessoal apresenta maior desafio, visto que tem um cliente de maior risco, muito mais sensível a qualquer movimentação macroeconômica, disse o CFO.

Conforme Túlio Queiroz, a inadimplência do empréstimo pessoal deve acelerar no quarto trimestre, atingindo 10%.

Prejuízo de R$ 47,5 mi no período

O prejuízo atingiu R$ 47,5 milhões, revertendo o lucro líquido de R$ 29,3 milhões no mesmo período de 2019.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado reduziu 46,4%, totalizando R$ 101,1 milhões.

Conforme informou a Guararapes, o desempenho foi influenciado pela desaceleração das vendas em mesmas lojas ocorrida em março.

Com o fechamento das operações das lojas em 21 de março, houve aumento das despesas operacionais na estrutura da Midway Financeira e do crescimento do PDC (Perdas, Descontos e Despesas com cobrança).

O resultado financeiro foi positivo em R$ 47,7 milhões, um aumento de 89,3%.

A receita líquida da Guararapes somou R$ 1,624 milhões, mantendo-se praticamente estável.

Veja o desempenho da Guararapes (GUAR3):

Fonte: Tradingview

LEIA MAIS

Lojas Renner (LREN3): por potencial de ganho, gestora reitera compra da varejista

Guararapes (GUAR3) reverte lucro e tem prejuízo de R$ 47,5 mi no 1TRI