Guararapes (GUAR3) reverte lucro e tem prejuízo de R$ 47,5 mi no 1TRI

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Divulgação/Shopping Cidade

A Guararapes (GUAR3) reportou nesta quinta (21) seus resultados do primeiro trimestre de 2020. O prejuízo atingiu R$ 47,5 milhões, revertendo o lucro líquido de R$ 29,3 milhões no mesmo período de 2019.

Excluindo os efeitos do IFRS16 (Pró-Forma), o prejuízo líquido atingiu R$41,6 milhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado reduziu 46,4%, totalizando R$ 101,1 milhões. Sem os efeitos do IFRS16 (Pró-Forma), o Ebitda ajustado caiu 71,3%, atingindo R$36,4 milhões.

Conforme informou a Guararapes, o desempenho foi influenciado pela desaceleração das vendas em mesmas lojas ocorrida em março.

Com o fechamento das operações das lojas em 21 de março, houve aumento das despesas operacionais na estrutura da Midway Financeira e do crescimento do PDC (Perdas, Descontos e Despesas com cobrança).

As vendas em mesmas lojas cresceram 12,1% em janeiro, 12,8% em fevereiro e decresceram 38,4% em março, totalizando um decréscimo de 5,2% no trimestre.

O resultado financeiro foi positivo em R$ 47,7 milhões, um aumento de 89,3%.

As despesas operacionais cresceram 7,5% em relação ao mesmo período de 2019.

Fonte: Guararapes

Receita permanece estável

A receita líquida da Guararapes somou R$ 1,624 milhões, mantendo-se praticamente estável.

O lucro bruto foi de R$ 1,035 bilhão, um decréscimo de 0,4% em comparação com igual período de 2019.

A margem bruta de mercadorias, incluindo maior participação de celular, perfumaria e moda casa no mix, expandiu 1,8 p.p. no trimestre, atingindo 49,0%.

Investimentos

A Guararapes investiu R$ 85,9 milhões no primeiro trimestre de 2020.

Os aportes foram destinados à Riachuelo e Midway, sendo a maior parte para infraestrutura de TI e em lojas novas.

Dívida da Guararapes

A dívida líquida da Guararapes encerrou março em R$ 1,582 bilhão.

A alavancagem financeira, medida pela relação dívida líquida / Ebtida, ficou em 1,6 vez no final de março, alta de 0,4 p.p.

E-commerce avança na pandemia

Em meio a pandemia, a operação de e-commerce da Guararapes se destacou positivamente com crescimentos significativos. Com os fechamentos das lojas físicas os esforços foram direcionados nesta operação.

Além dos desafios relacionados à navegabilidade para melhorar a conversão do fluxo em vendas que já estavam em pauta para este ano, o processo logístico também precisou ser ajustado para garantir o atendimento e entrega de um volume muito maior de pedidos em menor tempo.

LEIA MAIS

Guararapes (GUAR3) e Arezzo (ARZZ3) informam retorno de atividades

Renner (LREN3) registra queda de 93,6% no lucro no 1TRI20