Governo tenta destravar impasse sobre a Previdência no Senado

Filipe Teixeira
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress)

Comece a semana bem informado!

Abrimos esta segunda-feira sob a constatação de que o mercado subestimou a habilidade política em atrapalhar o andamento da agenda do governo. A última semana ficou marcada por prorrogações e uma derrota em forma de aviso (ou um aviso em forma de derrota), que resultou na perda importante de parte da economia prevista com a Reforma da Previdência no Senado.

Havia um consenso inicial de que o desafio maior seria na Câmara, mas hoje percebemos de forma mais clara, a importante participação de Rodrigo Maia, que apesar dos pesares, mostrou uma força de articulação política muito grande, fazendo com que a reforma avançasse sem maiores sobressaltos.

EQI, BTG Pactual Forpus Capital lançam novo fundo de ações

O mesmo não pode ser dito sobre Davi Alcolumbre, que ainda se mostra inexperiente para exercer a função, no senado.

Diante do amadorismo de Alcolumbre, não restou outra alternativa ao governo, que não fosse fardar e entrar para o jogo. O impasse se deu por conta das fatias da cessão onerosa, através do leilão do pré-sal marcado para 06/11, que deflagrou uma disputa particular entre estados de Norte/Nordeste contra os estados das regiões Sul/Sudeste.

O texto original privilegia os estados com menor renda per capita, o que concederia aos estados de Norte/Nordeste uma fatia de aproximadamente 77%.

Ocorre que na Câmara dos deputados, os deputados do Sul/Sudeste são os que possuem maior força política e o contrário é verificado no Senado, onde o lobby maior, fica a cargo dos senadores de Norte/Nordeste.

O governo, que já sofreu na pele os efeitos da picuinha, com a desidratação da Reforma no senado, tenta encontrar uma maneira de agradar a todos, mas bem sabemos qual é a “língua” falada pelos parlamentares: Mais dinheiro.

Tudo o que o governo, no momento, não dispõe.

Procura-se um camisa 10

Destravar a Previdência, que só deve ser votada na segunda quinzena de outubro, é apenas uma das missões do governo nesta reta final do ano.

Vencido este obstáculo, as reformas tributária e administrativa, vem logo a seguir, além de um novo texto sobre a regra de ouro (proibição do executivo em emitir dívida para cobrir gastos com a máquina pública).

Ontem, após encontrar-se com o presidente Bolsonaro, Rodrigo Maia adiantou que o governo pretende, através da reforma administrativa, mexer na estabilidade no serviço público, aumentando a tributação sobre estes, reduzindo carreiras, salários e jornada de trabalho.

Como pode ser visto, as dificuldades serão imensas e ao governo, não resta outra alternativa a não ser meter a mão na massa e participar ativamente destas articulações. A pergunta que não quer calar é: Existe alguém no governo com estes atributos? Até o momento, claramente parece-nos que não.

Um é pouco, dois é bom, três é demais

Foi revelado durante o final de semana, que poderá haver mais de um denunciante contra o presidente Donald Trump em seu processo de impeachment, o que coloca ainda mais lenha nesta fogueira que ainda promete queimar por um bom tempo.

Brexit

Boris Johnson deve mesmo solicitar um novo adiamento (o terceiro) para a saída do Reino Unido da União Europeia, prevista inicialmente para 31 de outubro. O imbróglio não nos dá sinal algum de que dias melhores virão.

Me engana que eu gosto

O líder do MDB na Câmara, Baleia Rossi , foi eleito presidente nacional do partido em  convenção nacional realizada neste domingo em Brasília.

A chapa única intitulada, preste bem atenção: “Renovação Democrática”, foi eleita para formar a nova Executiva Nacional e é composta por Romero Jucá, seu último presidente, além de contar com seus tradicionais conselheiros Moreira Franco, Eliseu Padilha e Henrique Meirelles, todos ex ministros de Michel Temer, que por sinal, esteve ausente.

Quem pousou ao lado da “nova” formação da cúpula do MDB foi Rodrigo Maia, do Democratas, genro de Moreira Franco, apesar de o mesmo negar o parentesco, afirmando que Moreira Franco é casado com a sua sogra, mas não é seu sogro.

Durma-se com um barulho desses!