Governo propõe R$ 1.079 para o salário minimo de 2021

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Divulgação

O governo federal incluiu na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2021 uma sugestão de valor para o salário mínimo: R$ 1.079,00.

O aumento de R$ 34,00 proposto pela equipe econômica faria com que os novos valores, a partir de janeiro, não fossem reajustados acima da inflação.

A política, se confirmada, será a mesma adotada em 2020, quando o salário mínimo subiu tendo como base somente a inflação de 2019.

O Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) aponta que o valor do salário mínimo serve de referência para 49 milhões de brasileiros e costuma acompanhar os índices inflacionários.

A Constituição determina que o reajuste precisa acompanhar o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior para que o valor seja determinado.

Como 2020 ainda não está com o valor da inflação fechado de forma definitiva, a sugestão de R$ 1.079,00 ainda pode sofrer variações.

Se a política de reajuste real, acima da inflação, fosse mantida, o valor poderia chegar a R$ 1.090, pois o PIB de 2019 avançou 1,1%.

2022 e 2023

As projeções divulgadas nesta quarta-feira também já adiantaram os  possíveis valores do salário mínimo do País para 2022 e 2023.

A previsão é de que o valor suba para R$ 1.120,00 em 2022 e para R$ 1.160,00 em 2023.

INSS e PIB

O Governo Federal também divulgou nesta quarta-feira a projeção para as contas do INSS em 2021.

De acordo com as contas, o rombo será de R$ 252 bilhões em 2021 e aumentar ainda mais em 2022 e 2023, chegando a R$ 269,7 bilhões e R$ 277,5 bilhões, respectivamente.

As projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) são as seguintes: 3,09% (2021), 3,10% (2022) e 2,99% (2023).

Antecedente da economia recua

O Indicador Antecedente Composto da Economia Brasileira (IACE) recuou 4,7% em março, chegando a 114,5 pontos. Esta é a maior queda desde novembro de 2008. A variação acumulada nos últimos seis meses também ficou negativa, em 3,5%.

O IACE foi publicado nesta terça-feira (15), pela Fundação Getulio Vargas em parceria com o The Conference Board (TCB), um think tank (organização de produção e difusão de conhecimento) norte-americano que projeta cenários econômicos futuros.

O Indicador Coincidente Composto da Economia Brasileira (ICCE), que mensura as condições econômicas atuais, caiu 0,2% para 105,0 pontos, no mesmo período. A variação acumulada nos últimos seis meses é positiva, em 0,8%.

Paulo Guedes fará proposta ao FMI para “não deixar nenhum brasileiro para trás”

LDO de 2021 terá meta fiscal flexível por causa do coronavírus