Governo prevê lucrar R$ 150 bilhões com privatizações em 2020

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.
1

Crédito: Reprodução

O governo pretende reforçar o caixa com pelo menos R$ 150 bilhões em 2020. Foi essa a estimativa passada por Salim Mattar, secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, em entrevista exclusiva para o Portal Uol.

Na reportagem publicada no sábado (21), Mattar explicou que, no cálculo projetado, também estão inseridas as vendas de ações das empresas para o ano que vem.

A ideia do governo é reduzir de 627 para 327 o número de empresas em que a União tem participação, 210 delas abrangidas apenas no acerto da privatização da Eletrobras.

Essa privatização, no entanto, ainda necessita do aval do Congresso, e o projeto segue em compasso de espera até o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, libere o despacho para começar a tramitar.

Além da Eletrobras, o secretário revelou quatro outras estatais “chave” no plano do governo: o Serpro e a Dataprev, empresas de tecnologia do governo, a Emgea e a ABGF.

Segundo o secretário, o governo precisa de R$ 14 bilhões anuais em investimentos para manter a participação no mercado, mas dispõe somente de R$ 3 bilhões.

Em 2019, declarou Salim, o governo arrecadou R$ 103,1 bilhões com a venda de participação em 67 empresas.