Governo negocia aprovação do texto sobre IR; veja mais notícias

Matheus Gagliano
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Após ter a votação adiada por duas vezes, o projeto de mudanças no Imposto de Renda (IR) pode passar por uma rodada de negociações. De acordo com o jornal Valor Econômico, o governo busca uma articulação para tentar aprovar o texto da proposta.

Um ponto de convergência entre governistas e opositores, principalmente partidos de esquerda, é a taxação de dividendos.

Fracasso da PEC dos precatórios pode prejudicar vacinação

Um eventual fracasso na aprovação da Proposta da Emenda Constitucional (PEC) dos precatórios pode prejudicar a terceira dosa da vacinação contra a covid-19.

Segundo matéria do Valor Econômico, o secretário de Orçamento Federal, Ariosto Culau, admitiu os problemas. Ele afirmou que o governo tem muitas dificuldades para conseguir atender demandas no orçamento previsto para o ano que vem.

Em matéria do O Globo, Culau acrescentou que as dificuldades orçamentárias são as maiores em 25 anos.

Crise hídrica afeta a agricultura

A crise hídrica que já prejudica o abastecimento energético no país, já começa a atingir a agricultura. De acordo com o jornal O Globo, culturas irrigadas, como café, tomate e hortaliças deverão ter safras menores.

Há possibilidade que estas dificuldades pressionem os preços dos alimentos, que já acumulam alta de 15% no ano.

Covid-19 eleva custo para o estado, diz estudo

Uma resposta considerada lenta no combate à covid-19 por parte do governo, tem elevado os custos. Estudo do IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – divulgada pelo Estadão, mostra que países com resposta lenta tem obtido mais dificuldades.

Só no ano passado, de acordo com o jornal, o governo gastou R$ 524 bilhões em despesas adicionais contra a pandemia.

Populismo eleitoral afeta mercado, diz ex-presidente do BC

O populismo eleitoral já traz prejuízos ao mercado. Em entrevista ao Estadão, o ex-presidente do Banco Central (BC) Affonso Celso Pastore, diz que os índices refletem o efeito da agenda populista.

Para o economista, uma economia enfraquecida no próximo ano, pode levar a uma ruptura institucional. Além disso, para ele, a desaceleração do PIB em 2022 está ‘comprada’.