Governo federal arrecada 32,92% menos, no pior maio desde 2005

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

O ministério da Economia divulgou nesta terça-feira (23) os dados da arrecadação pública para o mês de maio do Governo Federal e o resultado mostra um encolhimento de 32,92% em relação a maio de 2019, já descontada a inflação. As receitas caíram de R$ 113,278 bilhões para R$ 77,415 bilhões. Esse é o menor valor para um mês de maio, desde 2005, quando ficou com R$ 76,178 bilhõe.

Nos cinco primeiros meses do ano, a queda foi de 11,93% em relação ao mesmo período do ano passado, também já descontada a inflação. Caiu de R$ 637,649 bilhões para R$ 579,708 bilhões.

Enquanto a Receita Federal do Brasil (RFB) arrecadou R$ 110,753 bilhões em maio de 2019, um ano depois esse montante caiu para R$ 76,139 bilhões, uma queda de 32,52%.

No acumulado dos primeiros cinco meses de 2019, a RFB conseguiu arrecadar R$ 609,918 bilhões, mas apenas R$ 552,950 bilhões no mesmo espaço de tempo em 2020. É uma queda de 12,18%.

Outros órgãos federais também arrecadaram menos. Em maio de 2019, o total foi de R$ 2,525 bilhões, contra R$ 1,277 bilhão em 2020, o que representa menos 50,38%.

A explicação imediata para esse resultado é a pandemia do novo coronavírus, que obrigou a economia na maioria dos estados brasileiros a ser em parte interrompida, na intenção de conter o avanço do surto.

Com a economia não funcionando na plenitude, o Estado acaba arrecadando menos.

Ritmo econômico

Uma das muitas maneiras de enxergar como está o ritmo econômico, a comparação entre as arrecadações dos meses de abril e maio pode dar uma pista.

Entretanto, a notícia não é boa ainda.

Embora esperado, já que os governadores começaram a flexibilizar as medidas de restrição em grande parte em junho, a queda de um mês para outro foi significativa.

As receitas administradas pela RFB saíram de R$ 93,332 bilhões em abril de 2020 para R$ 76,139 bilhões no mês seguinte. Isso representa uma queda de 18,11%, já com o desconto da inflação.

Além disso, as receitas administradas por outros órgãos federais caíram de R$ 7,822 bilhões em abril para R$ 1,277 em maio, o que dá 83,62% a menos.

No total, juntando as duas fontes do Governo Federal, são 23,18% de queda entre abril e maio, de R$ 101,154 bilhões para R$ 77,415 bilhões.

Queda da RFB vem desde janeiro

Contudo, é preciso ressaltar que a queda da arrecadação é reflexo da pandemia, mas também não é a única desculpa.

Afinal de contas, a arrecadação vem caindo desde janeiro, quando o vírus ainda não tinha causado efeito no Brasil e estava restrito à Ásia.

O primeiro caso brasileiro surgiu em 26 de fevereiro.

Mas na relação fevereiro (R$ 116,430 bilhões) e janeiro (R$ 174,991 bilhões), já houve uma queda de 2,71%.

As receitas continuaram caindo em março (R$ 109,718 bilhões, menos 3,32%), mês que teve a última semana já prejudicada pela pandemia, com as primeiras medidas de restrições sociais e comerciais.

Por setor

A produção industrial teve um encolhimento de arrecadação de 31,01%, na comparação com o mês de maio de 2019. Mas vem encolhendo desde março. No acumulado do ano, menos 7,67%.

Vendas de bens contribuiu com menos 27,10% e menos 4,19% no ano. Vendas de serviços, com menos 17,20% e menos 3,18% ano ano.

A massa salarial deu 1,20% a menos em arrecadação, mas ainda está com mais 4,07% no acumuçado de 2020.

E, por fim, o valor em dólar das importações, menos 31,32% e menos 7,33% no ano.

Histórico de arrecadação do Governo Federal

O resultado de maio de 2020 só encontra menor em maio de 2005, quando foram arrecadados R$ 76,178 bilhões.

Entretanto, desde maio de 2009, a arrecadação neste mês não fica abaixo da marca dos R$ 100 bilhões.

Naquele ano, o Governo Federal arrecadou em maio R$ 91,98 bilhões.