Governo mira preço do querosene para impactar passagens aéreas

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A redução no preço do querosene de aviação é um dos pontos principais do pacote de medidas que o governo está preparando para 2020.

O objetivo é cortar em até 20% o valor atual para atrair novas empresas investidoras, aumentar a concorrência no setor e, consequentemente, baixar os preços das passagens aéreas.

Segundo informações do Estadão/Broadcast, uma das propostas na mesa pretende acabar com a incidência de PIS/Cofins sobre o combustível utilizado em aeronaves.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

“Não é uma discussão fácil, porque falar em redução de receita é complicado, mas entendemos que é uma opção que vai turbinar a economia do País”, afirmou o chefe da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Ronei Saggioro Glanzmann.

Entre as outras medidas destaca-se a intenção de quebrar o monopólio da Petrobras na venda do querosene e introduzir no País o combustível que já é utilizado nos Estados Unidos e ligeiramente mais barato do que os demais.

O combustível de aviação no Brasil é cerca de 40% mais caro do que fora do País e, segundo Glanzmann, essa é uma das principais reclamações das empresas do setor.

“Hoje, a Petrobras tem o monopólio do refino no Brasil. Então, o distribuidor só compra querosene de aviação de um único fornecedor, que é a estatal. Queremos quebrar isso, lá no início da cadeia produtiva.”