Governo quer montar quarentena do coronavírus em GO, SC ou Nordeste

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução/Agência Brasil

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta segunda-feira (3) que o governo pretende montar a quarentena para os brasileiros que voltarem de Wuhan, na China, em Anápolis (GO), Florianópolis (SC) ou em uma cidade do Nordeste, com tendência maior para que a cidade goiana seja a escolhida.

Um grupo de brasileiros na China fez um apelo ao governo de Jair Bolsonaro para a retirada de cidadãos do país mais afetado pelo surto do coronavírus. Um vídeo publicado no YouTube na manhã deste domingo (2) eles ressaltam que vários países já realizaram operações de evacuação e se dizem dispostos a passar pelo período de quarentena, mesmo que fora do território brasileiro. Todos os que fizeram o apelo são residentes em Wuhan, capital da província de Hubei, epicentro da crise.

“Nós somos homens, mulheres e crianças de vários estados e regiões do Brasil. Estudantes e trabalhadores, indivíduos e famílias de brasileiros na China. No momento em que essa carta está sendo escrita, não há, entre nós, quaisquer casos de contaminação comprovada ou até mesmo sintomas de infecção por coronavírus”, afirmam no vídeo.

BDRs. Alternativas para investir no exterior diretamente da bolsa brasileira

A princípio, o governo se recusou a retirar os brasileiros de lá. Depois, voltou atrás e agora monta uma operação para buscar cerca de 30 a 40 pessoas da China. A quarentena, entretanto, será no Brasil, em uma das três cidades comentadas pelo ministro.

Anápolis

Segundo Lorenzoni a preferência por Anápolis é pela cidade ter experiência semelhante, quando na década de 1980 houve a famosa contaminação com o elemento químico Césio, em Goiânia: “há uma sinalização muito forte para Anápolis, porque no período do Césio, lá atrás, foi uma área militar que trabalhou com essa coisa do isolamento, que é importante para não permitir eventualmente um escape de vírus. Eles já têm uma bagagem nessa área, mas não há nada definido”.

Mas o ministro abre outras opções: “uma das hipóteses é Florianópolis, que tem uma base que teria condição de fazer isolamento. Dentre outras alternativas, tem alternativas no Nordeste também. Isso ainda está em análise do Ministério da Defesa”.

Quarentena

A situação dos brasileiros tocou em outra necessidade brasileira. “Nós precisamos fazer uma coisa para cobrir uma lacuna que o Brasil tem: por incrível que pareça, o Brasil não tem uma lei de quarentena sanitária”, disse o ministro.

Essa lei de quarentena definirá as regras de como deverão ser tratados os brasileiros que voltarem de Wuhan e para o caso de uma outra eventual crise que se faça necessidade o confinamento. Por conta da urgência, uma medida provisória sobre o tema será editada em breve.

Onyx dá uma ideia da urgência sobre o assunto: “(a lei) dá entrada ainda hoje (segunda-feira) no Congresso Nacional. E amanhã deve ser votada na Câmara, em regime de urgência, e quarta-feira no Senado, de tal forma que entre a ida da equipe para buscar e a chegada das pessoas ao Brasil, o Brasil já tenha uma legislação específica de quarentena sanitária, como maior parte dos países do mundo tem”.

O coronavírus no mundo

Os dados precisam ser atualizados constantemente. Mas até agora, segunda-feira (3), os casos confirmados já chegam a 17.491 em todo o mundo, a maioria, 17.308, na China; bem como as mortes em decorrência da infecção, que já somam 362, sendo apenas uma morte fora da China, nas Filipinas.

Depois do gigante asiático, os países mais afetados são Japão (20 casos confirmados), Tailândia (19), Singapura (18), Hong Kong (15), Coreia do Sul (15), Austrália (12), EUA (11), Alemanha (10) e Taiwan (10). Outros 17 países confirmaram casos de infecção pelo novo coronavírus.

Do total de infectados, 536 pessoas conseguiram se curar.