Google negocia com sites como remunerar pelo uso do conteúdo

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Reprodução/Hebi B./Pixabay

O Google, da Alphabet, está conversando com os editores de jornais, agências e sites de notícias sobre o pagamento de uma taxa de licenciamento pelas notícias que aparecem no seu mecanismo de busca, de acordo com pessoas familiarizadas com o assunto. Essa medida, de acordo com o The Wall Street Journal, marcaria uma mudança no relacionamento do gigante das buscas com organizações de notícias.

As conversas ainda estão no início e não se sabe se qualquer acordo será acertado. A maioria dos players de notícia são de fora dos Estados Unidos, a maioria da Europa. Os termos financeiros dos acordos de licenciamento não são conhecidos.

Momento decisivo

Tais acordos de licenciamento entre o Google e as organizações de notícias seriam um momento decisivo para jornais, sites e agências de notícias, que há muito tempo buscam uma compensação do Google.

BDRs. Alternativas para investir no exterior diretamente da bolsa brasileira

Isso porque o gigante de buscas envia às organizações de notícias grandes quantidades de tráfego todos os meses através de seu mecanismo de pesquisa, mas até agora resistiu a pagar diretamente às organizações de notícias por seu conteúdo.

A lógica das organizações de notícias é simples: só uma pequena parte das pessoas acessam diretamente os sites de notícias. A maioria delas vai ao Google, pesquisa pela notícia e depois vai ao site que a publicou. Dessa forma, o Google é que se monetiza, através de publicidade que consegue vender pelo alto tráfego em suas páginas, mas com conteúdo de terceiros.

Facebook e Google

O Facebook já sinalizou esse caminho. No ano passado, o Facebook anunciou que pagaria às organizações de notícias – em alguns casos milhões de dólares por ano – para licenciar suas manchetes e resumos de matérias para uma guia de notícias. O Google seria o segundo gigante da tecnologia a avançar para esse tipo de pagamento.

“Queremos ajudar as pessoas a encontrar jornalismo de qualidade – é importante informar numa democracia e ajudar a apoiar um setor de notícias sustentável”, afirmou o vice-presidente de notícias do Google, Richard Gingras, em comunicado.

O Facebook, que foi alvo de críticas semelhantes às que o Google constantemente recebe, lançou no ano passado uma “guia de notícias” dedicada com conteúdo produzido profissionalmente – um movimento da rede social para promover o jornalismo e perder sua reputação como plataforma de desinformação.

Esperava-se que o Facebook pagasse algumas das organizações de notícias, na faixa dos milhões de dólares em alguns casos.

LEIA MAIS
Controles de rastreamento de anúncios será adicionado pelo Facebook no Reino Unido

YouTube fatura US$ 15 bilhões com publicidade em 2019