Gol (GOLL4) reporta prejuízo de R$ 2,26 bi no primeiro trimestre

Regiane Medeiros
Economista formada pela UFSC. Produz conteúdo na área de mercado de capitais, finanças pessoais e atualidades.
1

Crédito: Reprodução / Gol Linhas Aéreas

A Gol (GOLL4) reportou no primeiro trimestre de 2020 um prejuízo líquido de R$ 2,261 bilhões frente um lucro líquido de R$ 35,2 milhões no mesmo período de 2019, ambos no critério antes da participação minoritária da Smiles.

Ainda no primeiro trimestre deste ano, o Ebitda da companhia totalizou R$ 1,439 bilhão, crescimento de 51,3% na comparação com mesmo período de 2019. Já a margem Ebitda foi de 29,8% contra 17% no primeiro trimestre de 2019.

A receita operacional líquida apresentou retração de 2%, passando de R$ 3.210,8 bilhões em 2019 para R$ 3.147,7 bilhões em 2020.

Segundo a companhia esse movimento foi marcado “ principalmente pela queda de 3,0% na receita de passageiros, parcialmente compensada pelo aumento de 17,5% nas receitas com transporte de cargas e pelo incremento de 16,2% nas receitas do programa de fidelidade em comparação ao primeiro trimestre de 2019”.

Já o resultado financeiro do primeiro trimestre foi negativo em R$ 3,243 bilhões, um aumento de R$2.842,5 milhões na comparação com 2019. Segundo a companhia, as despesas financeiras no período dispararam em função da variação cambial. O dólar referencial usado pela Gol foi de R$ 4,03 ao fim de 2019 para R$ 5,20 no encerramento de março.

Liquidez e Endividamento

Em 31 de março de 2020, a Companhia atingiu uma posição de liquidez total de R$ 4,2 bilhões, incremento de R$ 701,4 milhões em relação a igual período de 2019.

O total de empréstimos e financiamentos ao final do primeiro trimestre de 2020 foi de R$ 16,9 bilhões, aumento de 17,1% quando comparado com o quarto trimestre de 2019.

A relação dívida líquida (excluindo os bônus perpétuos e o Exchangeable Notes) sobre Ebitda UDM foi de 2,4x,  em 31 de março de 2020e 31 de dezembro de 2019.

O prazo médio de vencimento da dívida de longo prazo da Companhia no primeiro trimestre de 2020 (excluindo os leasings e financiamentos de aeronaves e os bônus perpétuos) é de 2,8 anos.

A Gol destacou que os resultados divulgados ainda não passaram pelo processo de auditoria, já que os auditores independentes contratados para fazer a avaliação do balanço pediram prorrogação do prazo.

Segundo a Companhia, a expectativa é que os dados auditados sejam publicados no próximo dia 15.