Gol (GOLL4) homologa parcialmente aumento de capital de R$ 422,6 mi

Fernando Augusto Lopes
Redator e editor
1

Crédito: Divulgação

A Gol (GOLL4) informou nesta terça-feira (15) que homologou parcialmente o aumento de capital no montante de aproximadamente R$ 422,611 milhões, a partir da emissão de 171.136.137 ações ordinárias e 12.581.185 ações preferenciais.

Além disso, o Conselho de Administração da Gol homologou a conversão de 171.136.137 ações ordinárias, detidas pelos acionistas controladores que subscreveram-nas no âmbito do aumento de capital, em 4.889.603 ações preferenciais, à razão de 35 ações ordinárias para 1 ação preferencial.

Simule seus investimentos com um especialista e confira as melhores opções de acordo com seu perfil

Assim, o capital social da companhia passa a ser de exatos R$ 4.194.953.561,82, dividido em 3.177.611.730 ações, sendo 2.863.682.710 ações ordinárias e 313.929.020 ações preferenciais.

Minerva (BEEF3) aprova aumento de capital por bônus de subscrição

A Minerva (BEEF3) informou hoje que entre os dias 19 de maio a 11 de junho de 2021, foram exercidos 5.185 bônus de subscrição, atribuídos como vantagem adicional aos subscritores de ações no âmbito do aumento de capital.

O aumento se deu no valor de R$ 27.947,15, mediante a emissão 5.185 novas ações ordinárias, com preço de emissão de R$ 5,39.

A partir daí, a empresa aprovou seu aumento do capital social, que passará dos autuais R$ 1.371.393.343,46, divididos em 549.629.035 ações ordinárias, para R$ 1.371.421.290,61, divididos em 549.634.220 ações ordinárias.

Engie (EGIE3) prorroga direito de exclusividade na negociação para a alienação de complexo termelétrico

A Engie (EGIE3) resolveu estender em 120 dias a exclusividade concedida à Fram Capital Energy II Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia (FIP-FRAM), visando a continuação do processo de due diligence para aquisição da totalidade da participação acionária na Diamante Geração de Energia.

A Diamante é uma empresa controlada pela Engie, que detém a totalidade dos ativos que compõe o Complexo Termelétrico Jorge Lacerda (CTJL).

Renova (RNEW11) confirma oferta do fundo Mubadala para compra da participação na Brasil PCH

A Renova Energia (RNEW3 RNEW4 RNEW11) confirmou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) o conteúdo da notícia veiculada hoje pelo Valor Econômico, sob o título “Mubadala faz oferta à Renova para a compra da Brasil PCH”.

A Renova confirma o recebimento de uma oferta apresentada pelo fundo Mubadala para a aquisição da participação societária detida na Brasil PCH.

A empresa lembra que já vinha “conduzido uma série de processos competitivos para a alienação de seus ativos, em observância às condições aprovadas em seu Plano de Recuperação Judicial”. E completa: “a referida oferta, que possui uma série de condicionantes a serem verificadas e analisadas pela companhia, é fruto de um desses processos competitivos”.

O Mubadala é um fundo soberano de Abu Dhabi, que aloca capital em uma variedade de ativos, setores e regiões para o benefício dos Emirados Árabes Unidos.

Cia Energética do Ceará (COCE5) informa pagamento de juros

A Coelce (COCE5), Companhia Energética do Ceará, comunicou hoje aos titulares das debêntures em circulação das primeira e segunda séries da 6ª Emissão que efetuará o pagamento de juros no dia 15 de junho de 2021.

As debêntures da primeira série, que são 40 mil, terão juros de R$ 16,46162100 por cada uma, totalizando o pagamento de R$ 658.464,84.

As da segunda série, que são 270 mil, receberão R$ 34,30994214 cada, totalizando R$ 9.263.684,38.

Cases da Bolsa

Aprenda análise fundamentalista de ações na prática, com maiores cases já criados na B3