Gol (GOLL4) informa aumento de 8% na demanda de passageiros e de 3% na capacidade de voos

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Reprodução/Gol Linhas Aéreas

A Gol (GOLL4) informou aumento de 8% na demanda de passageiros e de 3% na capacidade de voos. A empresa divulgou nesta quinta-feira (11) dados preliminares e não auditados.

Nesse período, a GOL aumentou sua capacidade para uma média de 489 voos por dia, um incremento de 3% em relação à média de 476 voos em dezembro/20.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

A companhia operou 628 voos diários em dias de pico, atendendo clientes que voaram durante as férias de verão. A GOL também atingiu um novo recorde de passageiros transportados desde o início da pandemia, com mais de 93 mil clientes atendidos em um único dia.

A receita bruta consolidada mensal da companhia foi de R$ 810 milhões e a taxa de ocupação média foi de 83,2%, patamar consistente em relação aos meses anteriores.

Em janeiro/21, houve um crescimento de 16% na busca por passagens aéreas da GOL, em relação a dezembro/20. Entretanto, apesar desses sinais promissores, a companhia registrou redução de 18% no volume de vendas durante esse mês, em função da queda na demanda por viagens decorrente da “segunda onda” de casos de Covid-19 no Brasil, combinada com clientes aguardando pela vacinação e início da baixa temporada.

Como resposta à queda nas vendas, a malha aérea da GOL foi reajustada em janeiro, representando redução de 40% entre a primeira e a quarta semana do mês.

Excluindo o serviço financeiro da dívida e o pagamento de passivos operacionais, o consumo líquido de caixa (“burn”) da GOL na operação totalizou R$1 milhão/dia em janeiro, uma reversão da geração líquida de caixa registrada em novembro e dezembro/20.

Para o primeiro trimestre de 2021, a companhia estima consumo líquido de caixa em R$ 2 milhões/dia, uma visão conservadora com base no recente aumento do número de casos de Covid-19 no Brasil.

EDP (ENBR3) fecha aquisição de Linha de Transmissão no Maranhão

A EDP (ENBR3) informou a aquisição de Linha de Transmissão no Maranhão.

A empresa assinou contrato de compra e venda com o consórcio formado pela I.G. Distribuição e Transmissão de Energia S.A e ESS Energias Renováveis para aquisição de 100% das quotas da Mata Grande Transmissora de Energia.

O consórcio arrematou o lote 18, no Leilão de Transmissão para Concessão do Serviço Público de Transmissão de Energia Elétrica Nº002/2018, realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em 28 de junho de 2018, com 23,63% de deságio sobre a RAP máxima.

A MGTE é composta por uma linha de transmissão de 230 kV com 113 km de extensão no estado do Maranhão.

O projeto já possui licença de instalação e deverá entrar em operação com antecipação frente ao cronograma da Aneel, de setembro de 2022. A linha está próxima aos lotes 11 e 7, este em fase final de desenvolvimento, o que permitirá sinergias de construção e operação.

O investimento total estimado é de R$ 88,5 milhões, considerando o valor de aquisição e o CapEx total, bem como os benefícios fiscais.

A Receita Anual Permitida é de R$ 8,4milhões, caracterizando um rácio de 9,4% RAP/CAPEX. A alavancagem foi estimada em aproximadamente 80%, sendo o regime tributário da MGTE e o de lucro presumido. A operação está sujeita à aprovação pelo CADE e pela ANEEL.

Randon (RAPT4) projeta R$ 6,8 bi de receita líquida consolidada para 2021

A Randon (RAPT4) anunciou guidance com projeção de R$ 6,8 bilhões de receita líquida consolidada para 2021.

A receita bruta, segundo a empresa, deve ser de R$ 9,6 bilhões.

Já as importações devem ficar em US$ 100 milhões, e os investimentos em R$ 250 milhões.

CSN (CSNA3) aprova recompra de debêntures

O conselho de administração da CSN (CSNA3) aprovou a recompra e consequente cancelamento de 450.000 debêntures da empresa.

Elas foram emitidas no âmbito da 10ª emissão de debêntures simples, representativas de aproximadamente 23% das debêntures da emissão, que totalizam R$ 391 milhões.