Gerdau (GGBR4) registra queda de 51,3% no lucro no 1TRI20, para R$ 221 mi

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 7 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Gerdau

A Gerdau (GGBR4) reportou um lucro líquido de R$ 221 milhões no primeiro trimestre de 2020, um desempenho 51,3% inferior ao mesmo período do ano passado.

O lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação (Ebtida, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 1,177 bilhão, uma queda de 24,5%.

A margem Ebtida ajustado ficou em 12,8%, baixa de 2,7 pontos percentuais.

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Segundo a Gerdau, o resultado foi influenciado principalmente pela menor diluição de custo fixo, uma vez que a taxa de utilização de capacidade do aço passou de 67% no primeiro trimestre de 2019 para 63% no primeiro trimestre de 2020.

O resultado financeiro foi negativo em R$ 232 milhões, uma queda de 38,3% em relação as perdas do mesmo período de 2019.

A companhia atribuiu a redução ao resultado positivo na variação cambial em outras moedas, efeito parcialmente compensado na linha de “IR/CS –demais contas”. Adicionalmente, houve queda nas despesas financeiras, resultado dos esforços contínuos de redução de dívida.

Queda na produção e nas vendas

A Gerdau produziu 3,188 mil toneladas de aço bruto no primeiro trimestre, uma diminuição de 4,6% em comparação com a produção do primeiro trimestre de 2019.

O desempenho negativo foi puxado por menores exportações no Brasil.

No período, o volume de vendas de aço caiu 9,8%, para 2,691 mil toneladas.

A companhia atribuiu o resultado ao menor volume vendido em todas as operações de negócio, com exceção para a ON América do Norte, que registrou aumento nos volumes de vendas.

Receita líquida cai 8% no período

A receita líquida atingiu a cifra de R$ 9,228 bilhões no período, o que representa uma queda de 8%.

O lucro bruto totalizou R$ 855 milhões no primeiro trimestre, uma redução de 32,6%. Já a margem bruta atingiu 9,3%, baixa de 3,4%.

As despesas gerais e administrativas somaram R$ 370 milhões, uma diminuição de 2,5%.

Investimentos

Os investimentos da Gerdau totalizaram R$ 472 milhões no primeiro trimestre de 2020.

Os aportes foram destinados para manutenção em geral, expansão e atualização tecnológica.

Dívida

A dívida líquida da companhia encerrou o trimestre em R$ 14,051 bilhões.

A alavancagem financeira, medida pela relação divida líquida / Ebtida ajustado, ficou em 2,55 vezes no final de março, alta de 0,74 p.p.

Segundo a Gerdau, a elevação da alavancagem financeira é fruto da variação cambial no período.

Gerdau adia dividendos

O Conselho de Administração da Gerdau decidiu não antecipar o pagamento dos dividendos referentes ao primeiro trimestre de 2020, em razão das incertezas associadas aos impactos do coronavírus.

TÁ E AÍ

De acordo com a XP Investimentos, os principais fatores para o resultado negativo da Gerdau foram os volumes menores nas unidades de negócios da empresa, exceto na América do Norte.

A Gerdau reportou EBITDA em R$ 1,2 bilhões, -6% e -10% abaixo das estimativas e do consenso, respectivamente.

O fluxo de caixa atingiu valor negativo de R$ 441 milhões no período devido à recuperação de capital de giro no 1T20 (-R$1,02bn).

A Dívida Líquida atingiu R$ 14,1 bilhões (de R$9,8 bilhões no 4T19), enquanto a alavancagem medida pela razão Dívida Líquida/EBITDA aumentou para 2,55x vs 1,67x no 4T19, dada a alta do dólar.

Além disso, a empresa revisou sua expectativa para investimentos em 2020 de R$ 2,6 bilhões para R$ 1,6 bilhão, após os impactos da Covid-19 sobre a demanda de aço em suas unidades de negócios.

A XP mantém recomendação de compra com preço-alvo de R$13 por ação.