Getnet (GETT3) fecha primeiro dia na B3 (B3SA3) com alta próxima de 150%

Victória Anhesini
Jornalista formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie
1

Crédito: Divulgação

As ações da maquininha de cartões do Santander (SANB11), a Getnet (GETT3, GETT4, GETT11), estrearam na Bolsa na nesta segunda-feira (18), com grande sucesso. Todos os papéis fecharam disparados. GETT3 fechou com alta de 147,23%, a valorização mais intensa entre os três, valendo R$ 5,50.

Já GETT4 fechou com alta de 97,03%, a R$ 5. E, por fim, GETT11 encerrou o dia com alta de 65,27%, a R$ 7,80. Os ativos de Santander tiveram uma elevação leve, comparada a Getnet, com 0,36%, a R$ 36,50.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Durate a primeira hora de negociação na B3, as ações da Getnet ultrapassaram o valor de mercado da Cielo (CIEL3), que também atua no setor de adquirência na bolsa. Desta forma, a companhia chegou a valer R$ 10,3 bilhões, ante R$ 7 bilhões da Cielo. Entretanto, esses valores não refletem com precisão a posição das duas empresas no setor.

No segundo trimestre de 2021, as maquininhas da Getnet capturaram R$ 96,4 bilhões em transações, enquanto as da Cielo processaram R$ 165,2 bilhões. Por outro lado, as duas companhias valem menos do que PagSeguro e Stone. A Getnet fará seu IPO em Nova York nesta sexta-feira, 22 de outubro.

Durante a abertura, os ativos do Santander subiam 1,86%, a R$ 37,04. Na cisão, para cada 1 ação ou unit do Santander, o acionista recebeu 0,25 ação da companhia.

Levando em conta a proporção e que a credenciadora representa 3,1422% do patrimônio líquido do grupo, a cotação dos papéis da Getnet no leilão de abertura foi correspondente a 12,5688% da cotação de encerramento das ações do Santander na sexta-feira (15).

Sobre a Getnet (GETT3, GETT4, GETT11)

A companhia surgiu em 2003, no Rio Grande do Sul, com especialização em tecnologia. Foi fundada por José Renato Hopf. Em 2006 a empresa se tornou uma correspondente bancária. A primeira aquisição veio em 2008, quando a empresa adquiriu a chilena Celcarga, empresa de recarga de celulares.

Em 2014 a Santander assina o acordo de aquisição das operações da Getnet por R$ 1,1 bilhão, dando início a uma nova fase da empresa. Em 2017 a companhia atingiu 12% de Market Share, passando a ser a segunda maior empresa de e-commerce da América Latina.

Hoje a Getnet (GETT3) é a 3ª maior adquirente de maquininhas da América Latina. Tem escritórios em São Paulo e Rio Grande do Sul e está presente em mais de 1,4 milhão de pontos de venda credenciados.

O portfólio de produtos da empresa inclui soluções físicas (SuperGet, POS, POS Digital e TEF); soluções digitais (mobile e e-commerce: checkout, loja digital, split de pagamento, recorrência, conciliador, cofre, antifraude e boleto) e uma atuação focada em serviços (GetData, Crediário, Antecipação, App Getnet, Recarga, Projetos Customizados e Consultoria Especializada).

A segregação da Getnet do Santander foi aprovada em fevereiro deste ano. Assim, com a cisão, os acionistas do banco vão receber 0,25 unit da Getnet para cada ação que tiveram de Santander. O objetivo é destravar valor aos acionistas e dar à Getnet acesso direto ao mercado de capitais.

O Santander Espanha vai deter o controle dos dois negócios, com cerca de 90% de participação.