Gafisa (GFSA3) tem prejuízo de R$ 25,4 milhões, redução de 45,1% no 1TRI20

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Gafisa

A incorporadora Gafisa (GFSA3) reduziu o prejuízo líquido em 45,1% no primeiro trimestre de 2020. No mesmo período do ano passado a empresa havia apresentado um resultado financeiro negativo de R$ 46,5 milhões. No último trimestre, este número caiu para R$ 25,4 milhões.

O lucro antes juros, impostos, amortização e depreciação (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado somou R$ 4,1 milhões, alta de 117,9% na comparação anual. Em 2019, o indicador havia ficado negativo em R$ 23 milhões. Assim, a margem Ebitda ajusta saiu de -24,1% para 5,7%.

A receita líquida da Gafisa caiu 24,9% no período. De janeiro a março de 2019 a receita foi de R$ 95,4 milhões, mas este ano somou R$ 71,7 milhões.

Perdeu a Money Week?
Todos os painéis estão disponíveis gratuitamente!

Gafisa (GFSA3) tem prejuízo de R$ 25,4 milhões, redução de 45,1% no 1TRI20

Dívida em queda e caixa alto

A dívida líquida da Gafisa teve queda de 52,3%. No início de 2019 o endividamento era de R$ 727,1 milhões e, em 2020, é de R$ 346,8 milhões.

Já o caixa e disponibilidade cresceu 476,1% no comparativo com o primeiro trimestre de 2019. Naquele período o caixa era de R$ 63 milhões. Um ano depois este valor subiu para R$ 363,3 milhões.

As despesas com vendas, gerais e administrativas da Gafisa somaram R$ 19,2 milhões aumento de 33,7% com 2019.

Resultados operacionais da Gafisa

O VGV (Valor Geral de Vendas) entregue da Gafisa no primeiro trimestre de 2020 foi de R$ 65,1 milhões, ante R$ 80 milhões no mesmo período de 2019.

Sem lançamentos previstos para o trimestre, as vendas brutas da companhia caíram 57,6%. Passaram de R$ 91 milhões para R$ 38,7 milhões. Segundo a Gafisa, foi possível reorganizar a área de vendas após o anúncio de aquisição da incorporadora Upcon em abril, além de novos produtos em estoque e projetos que poderão ser lançados no curto prazo.

No landbank da Gafisa há 10 projetos aprovados ou em estágio avançado de aprovação. Portanto, a empresa diz que está preparada para retomar os lançamentos logo pandemia esteja controlada e o mercado apresente condições adequadas.

Aumento de capital

A Gafisa também informou que o conselho da empresa aprovou aumento de capital de R$ 310.001.000,00, com a emissão particular de 75.610.000 ações, ao preço unitário de R$ 4,10. O valor mínimo será de R$ 175, 6 milhões.

O capital social da Gafisa, depois da redução feita para absorção dos prejuízos acumulados, soma hoje R$ 341,24 milhões. Com o aumento, passará a R$ 651,24 milhões.

Os recursos serão utilizados para a aquisição da totalidade das ações da Upcon Incorporadora e como capital de giro, para reforçar o caixa da companhia.

Os acionistas titulares de ações ordinárias têm preferência à subscrição, e cada papel dará direito à subscrição de 0,63898893274 nova ação emitida. O prazo para a opção é 15 de junho.

Debêntures

A Gafisa também irá emitir debentures conversíveis em ações em duas séries, de valor unitário de R$ 50 mil e R$ 100 mil respectivamente, com vencimento em 15 de julho e 28 de fevereiro de 2021, e remuneração de 0,50% ao ano, usando como indexador o IGP-M.

Os recursos da primeira série serão destinados ao pagamento de parte da compra da totalidade das ações de emissão de Upcon Incorporadora S.A. e os da segunda serão destinados à aquisição de crédito detido por Gilberto Bernardo Benevides, acionista da Upcon.

Desmistificando o COE: interesse pelo produto cresce mais a cada dia