Fusões e aquisições estão em alta lá fora: confira as maiores transações

Carla Carvalho
Graduada em Ciências Contábeis pela UFRGS, pós-graduada em Finanças pela UNISINOS/RS. Experiência de 17 anos no mercado financeiro, produtora de conteúdo de finanças e economia.
1

Crédito: Foto: Divulgação

O movimento de fusões e aquisições continua aquecido em todo o mundo. Nos últimos dias, o mercado brasileiro chamou atenção com a disputa entre a Ser Educacional, Yduqs e grupo Ânima pela Laurearte, dona da Anhembi Morumbi no Brasil.

O negócio ainda está no período de go shop, que é o prazo que a Laureate tem para avaliação de propostas. Entretanto, o valor da transação já é estimado em R$ 4 bilhões.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

As maiores movimentações de fusões e aquisições, no entanto, vêm do mercado externo, em especial da Europa e dos Estados Unidos.

O que foi destaque nas últimas semanas

No dia 13 de setembro, a gigante de Nvidia anunciou que está em negociações para comprar a britânica Arm do grupo japonês SoftBank, fabricante de componentes para celulares.

Você sabia que algumas das maiores oportunidades de ganhos da bolsa estão nas Small Caps? Quer saber mais sobre essas ações e como investir? 

Se concluído o acordo, no valor de US$ 40 bilhões, será a maior aquisição do setor até hoje. Além disso, colocará a Nvidia entre os maiores players de tecnologia de smartfones e também impulsionará o seu negócio de data centers.

Outra grande negociação foi na indústria farmacêutica. No último fim de semana, a norte americana Gilead Sciences adquiriu a Immunomedics por US$ 21 bilhões.

A Immunomedics é fabricante do Trodelvy, remédio que combate o câncer de mama. Com essa aquisição, a Gilead assume importante posição entre as farmacêuticas no tratamento oncológico.

Outras fusões no radar

O mercado continua atento a outras grandes fusões. Atualmente as maiores expectativas são as seguintes:

Oracle e TikTok

A Oracle,  junto com outros investidores, dentre eles o Walmart, deve adquirir o controle do TikTok nos EUA.  O aplicativo, com mais de 800 milhões de usuários no mundo, formaria uma nova unidade de negócios, que teria sede nos EUA e criaria mais de 20 mil empregos no país.

Conforme negociações, a Oracle deverá ter participação com 20% no Tiktok, enquanto Walmart e os fundos Sequoia Capital e General Atlantic ficarão com 40% a 50%. Por outro lado, a ByteDance, atual dona do TikTok, deverá ficar com os 30% ou 40% restantes.

Atualmente os serviços da Oracle têm foco no mercado corporativo, para os quais oferece soluções de plataformas na nuvem. Conforme a companhia, essa aquisição é estratégica e deverá alavancar as receitas com o mercado cloud em 74%.

Isso faria com que a Oracle superasse a Amazon e Microsoft, pois ambas possuem juntas 60% do mercado cloud. Além disso, devido a sua abrangência e número de usuários, o TikTok permitiria à Oracle acesso a dados estratégicos.

UBS e Credit Suisse

Segundo o site suíço Inside Paradeplatz, a fusão dos dois bancos criaria uma das maiores instituições financeiras da Europa.

Há vários anos que o Banco Central Europeu tem se mostrado favorável às fusões bancárias. Isso por causa da baixa rentabilidade das instituições financeiras na última década, agravada recentemente pela Covid.

Entretanto, a regulamentação da transação ainda está em processo de avaliação. Conforme o site, uma fusão poderia ocasionar a redução de 10% a 20% nos postos de trabalho. Isso corresponderia a cerca de 15 mil trabalhadores em todo o mundo.

Caso seja aprovada, a fusão dará origem a um superbanco europeu, com receitas anuais superiores a US$ 50 bilhões.

CaixaBank e Bankia

Ainda no setor bancário, outra fusão de peso é anunciada na Europa. A união entre os espanhóis CaixaBank e Bankia formará uma nova instituição com ativos superiores a 660 bilhões de euros e valor de mercado perto de 16,8 bilhões de euros.

Conforme o acordo, o CaixaBank assumirá o controle do Bankia. Além disso, os acionistas receberão 0,68 ação do Caixa para cada ação do Bankia, o que corresponde a 4,3 bilhões de euros.

Quanto aos resultados, os dois bancos deverão gerar sinergias em torno de 770 milhões de euros ao ano, e nova receita anual de 290 milhões de euros. Após concluída, a fusão dará origem ao terceiro maior banco espanhol, atrás apenas do atrás apenas do Santander e do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA).

Segundo analistas, a fusão do CaixaBank e Bankia  reflete a “superlotação” no mercado bancário europeu. Em julho, o italiano Intesa Sanpaolo afirmou que apoiaria investidores na aquisição da Unione di Banche Italiane. Assim, seria criado o maior banco italiano em ativos e o segundo maior da zona do euro em valor de mercado.

Euronext e Borsa Italiana

Por fim, a bolsa de valores da Itália também está na mira dos investidores.

Na sexta feira, 18 de setembro, a Euronext anunciou que está negociando em caráter exclusivo com o London Stock Exchange Group (LSE) a aquisição da Borsa Italiana. Segundo comunicado, a compra seria em parceria com a CDP Equity, do banco italiano Cassa Depositi e Prestiti, e com o grupo italiano Intesa Sanpaolo.

Desse modo, a Itália passaria a ser o maior contribuinte em receita para o grupo expandido da Euronext.

 

 

 

Um dos principais exercícios para a compra de uma ação é saber se ela está cara ou barata. Para isso, preparamos um material especial para ajudá-lo nesta análise.