Fundos de investimentos têm captação líquida positiva de R$ 37,6 bi entre 1º e 12 de março

Felipe Alves
Jornalista com experiência em reportagem e edição em política, economia, geral e cultura, com passagens pelos principais veículos impressos e online de Santa Catarina: Diário Catarinense, jornal Notícias do Dia (Grupo ND) e Grupo RBS (NSC).
1

Crédito: Divulgação

Os fundos de investimentos tiveram captação líquida positiva de R$ 37,6 bilhões entre os dias 1º e 12 de março, segundo dados da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).

Esse número é a diferença entre os R$ 372,9 bilhões de aportes e R$ 335,3 bilhões de resgates no período.

Entre os dias 8 e 12 de março, a indústria de fundos de investimentos teve captação líquida positiva de R$ 34,5 bilhões.

A classe de renda fixa impulsionou o resultado com saldo líquido de R$ 24,3 bilhões. Deste total, houve um aporte único de R$ 14 bilhões.

Os FIDCs também tiveram bons resultados com captação líquida de R$ 10,3 bilhões, mas influenciados por aporte de um único fundo de R$ 10 bilhões.

Na sequência, aparecem os fundos de ações com R$ 1 bilhão, de previdência com R$ 200 milhões e os FIPs com R$ 208,8 milhões (puxado por aporte concentrado de R$ 116 milhões).

Os resgates líquidos dos fundos de investimentos no período foram: os multimercados com R$ 766,9 milhões, os ETFs com R$ 503,8 milhões e os cambiais com R$ 245,6 milhões (um único fundo resgatou, sozinho, R$ 118 milhões).

Desde 1º de janeiro, a indústria acumula captação líquida positiva de R$ 83,6 bilhões e patrimônio líquido de R$ 6,2 trilhões.