Fundos de investimentos do Brasil superam internacionais em ofertas de ações

Felipe Moreira
Especialista em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 8 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Certificações: CPA-10, CPA-20 e AAI. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Reprodução/Pixabay

Os fundos de investimento aumentaram suas participações na aquisição de ações no acumulado deste ano, de acordo com Boletim divulgado pela ANBIMA.

Até maio de 2020 foram emitidos R$ 31,6 bilhões em ações (IPOs e follow-ons), sendo que 50,5% foram subscritos por fundos nacionais, um aumento de 6,2 pontos percentuais na comparação com igual período de 2019.

Enquanto isso, os investidores estrangeiros reduziram suas participações de 51,9% entre janeiro e maio de 2019 para 27,7% no mesmo período de 2020.

“O apetite dos investidores locais tem crescido para as ofertas de ações, o que é importante para o desenvolvimento do mercado. Com os juros baixos, tanto os fundos quanto as pessoas físicas estão buscando opções para rentabilizarem suas carteiras”, afirma José Eduardo Laloni, vice-presidente da ANBIMA.

A participação dos investidores finais também cresceu neste ano: de janeiro a maio, as pessoas físicas ficaram com 16,1% do volume de ações emitido, contra 0,8% no mesmo período do ano passado.

Quer começar o dia bem-informado com as notícias que vão impactar o seu bolso? Clique aqui e assine a newsletter EQI HOJE!

O mês passado contou com o primeiro IPO (oferta inicial de ações, na sigla em inglês) após o início da crise derivada da pandemia do novo coronavírus.

A oferta da Estapar captou aproximadamente R$ 345 milhões. Neste ano, os IPOs captaram R$ 4,3 bilhões ante R$ 772 milhões no mesmo intervalo do ano passado.

Renda fixa

Já na renda fixa, as debêntures continuam na liderança das operações em 2020. Em maio, as emissões de debêntures somaram R$ 6,3 bilhões.

Em 2020, o montante atinge R$ 38,8 bilhões, cifra abaixo dos R$ 69,7 bilhões dos 5 primeiros meses de 2019.

As notas promissórias atingiram R$ 1,4 bilhão em maio. Em 2020, foram emitidas R$ 17,4 bilhões de notas promissórias.

No acumulado de operações concluídas até maio no mercado de capitais, o volume chega a R$ 126,1 bilhões. A cifra representa aumento de 6,7% sobre janeiro a maio do ano passado, quando foram atingidos R$ 118,2 bilhões.

Até o fim de maio, 55 ofertas, incluindo debêntures, CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio), CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários), FIDCs (Fundos de Investimento em Direito Creditório), ações e Fundos Imobiliários estão em andamento, em análise pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) ou pelo convênio entre a ANBIMA e a autarquia, podendo chegar a R$ 12,1 bilhões.