FII’s quebram recordes em 2019 e 2020 promete

Felipe Moreira
Felipe Moreira é Graduado em Administração de empresas e pós-graduado em Mercado de Capitais e Derivativos pela PUC - Minas, com mais de 6 anos de vivência no mercado financeiro e de capitais. Apaixonado por educação financeira e investimentos.
1

Crédito: Photo by Sean Pollock on Unsplash

Para o ramo de fundos de imobiliários (FII), o ano de 2019 foi disruptivo. Em contrapartida, o juro em baixa tem despertado interesse nos investidores a assumirem riscos maiores e buscarem diversificação nessa classe de ativos. Outro ponto é a retomada do mercado imobiliário, tornando o setor mais atrativo, e gerando expectativa de ganhos.

Segundo dados da Anbima, o número de emissões é o maior da história, com R$32,5 bilhões captados até novembro. O valor que compreende os fundos negociados na bolsa e os não listados, é acima do dobro sendo R$16,1 bilhões em 2011 e também acima de 2018 que foi um ano positivo para o mercado de fundos imobiliários. A CVM (Comissão de Valores Mobiliários), possui cerca de R$ 2,9 bilhões de 13 ofertas em análise. Se estas ofertas forem aprovadas, 2019 tem chances de fechar com R$ 35,4 bilhões em emissões.

O fluxo de capital aumentou consideravelmente devido ao maior apetite a risco dos investidores. Segundo dados da B3, os FII’s negociados em bolsa foram quatro vezes mais transacionados em outubro do que em janeiro. A movimentação financeira saiu de R$ 1 bilhão para R$ 4 bilhões no período. De janeiro a outubro o fluxo quase multiplicou por dois em relação a 2018, conforme dados da B3.

O valor de mercado dos FII’s subiu 35,8% no ano. Ou seja, atingiu o patrimônio de R$ 74,4 bilhões em outubro, um pouco abaixo do recorde de R$ 75,5 bilhões.

Além disso, o número de investidores mais que dobrou no período, saltando de 230 mil para 517 mil. Em média, o crescimento da base de cotistas foi de 32 mil por mês.

Expectativa para os fundos imobiliários em 2020

“Em dois anos a quantidade de investidores se multiplicou por cinco, então acho que a gente vai chegar a 1 milhão nos FII já em 2020”, afirma Ricardo Almendra, CEO da RBR Asset.

Este ano de 2019, considerado um marco na história dos fundos imobiliários pode ser superado pelo ano de 2020. E um dos motivos para esta expectativa é o juro baixo, aumento de empregos e renda, ampliação dos créditos, reformas governamentais, e o aquecimento do mercado imobiliário.