Fundos Imobiliários: já dá para falar em recuperação?

Carla Carvalho
Graduada em Ciências Contábeis pela UFRGS, pós-graduada em Finanças pela UNISINOS/RS. Experiência de 17 anos no mercado financeiro, produtora de conteúdo de finanças e economia.
1

Foto: fundos imobiliários

No mês de janeiro, quase metade dos Fundos Imobiliários (FIIs) tiveram performance positiva, segundo pesquisa realizada pela consolidadora de investimentos SmartBrain.

Atingir um patrimônio de R$ 100 mil é para poucos, o que amplia o desafio de busca pelas melhores aplicações para multiplicá-lo

Assim, também no mês passado, o Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários (IFIX) apresentou alta de 0,32%. Por outro lado, vale lembrar que o IFIX encerrou 2020 com uma queda acumulada de -10,24%, um dos piores indicadores do ano.

Acesse esse material especial para avaliar resultados, performance e dividendos dos melhores FIIs no mercado.

No entanto, será que já é possível falar sobre recuperação do mercado de Fundos Imobiliários?

Conforme dados divulgados pela consultoria Buildings, o home office ocasionou um aumento da vacância de imóveis comerciais. Nesse sentido, a situação permanecerá inalterada durante boa parte de 2021.

A seguir, confira o que Elias Wiggers, assessor de investimentos da EQI, tem a dizer sobre o mercado de Fundos Imobiliários. Além disso, descubra quais foram os cinco FIIs que apresentaram o melhor desempenho em 2020. Por fim, conheça as suas estratégias.

Afinal, já dá para falar em retomada do mercado de Fundos Imobiliários?

De acordo com Elias, ainda é cedo para dizer que, de forma geral, os Fundos Imobiliários já estejam se recuperando. Isso porque o segmento corporativo ainda está fortemente impactado pelo home-office. Afinal, muitas empresas, ao contrário das expectativas, postergaram as suas atividades presenciais.

Na opinião do analista, mesmo com a reabertura de algumas lajes corporativas, ainda é cedo. Logo, o movimento desses FIIs ainda é muito sutil para ser interpretado como uma retomada do mercado.

Alguns segmentos de FIIs são exceções à regra

Por outro lado, a realidade dos Fundos Imobiliários de papel, especialmente aqueles com predominância de contratos atrelados ao IGPM, é bem diferente. Esses FIIs são os mais procurados hoje pelos investidores, segundo o analista, justamente porque estão pagando dividend yield mensal na casa de 1%.

Além disso, outro motivo para o melhor desempenho dos fundos de papel é facilidade de rápida modificação na alocação dos ativos. Em outras palavras, é mais fácil para um fundo de CRI se desfazer de direitos creditórios do que um FII corporativo vender a sua participação em um imóvel, por exemplo.

Nesse sentido, um desempenho satisfatório observa-se, também, entre os fundos logísticos, que permanecem  pagando bons dividendos. Por fim, com a gradual volta das pessoas às ruas e ao comércio, já se verifica alguma melhora também dos Fundos Imobiliários de shoppings.

Conforme Wiggers, ao menos por ora, são somente esses três setores (fundos de CRIs, logística e shoppings) que apresentam alguma recuperação entre os FIIs. Já em relação aos fundos de lajes corporativas, a retomada deverá demorar mais e somente será sensível a partir do segundo semestre de 2021.

“Não que o home-office tenha vindo para substituir totalmente o trabalho presencial. Isso porque, o que possivelmente ocorrerá será uma nova distribuição do formato das atividades, com as pessoas trabalhando mais em casa, mas não exclusivamente de forma remota”, conclui o analista.

Maiores rentabilidades

Dessa forma reunimos a seguir as 10 melhores performances dos Fundos Imobiliários entre março de 2020 e janeiro de 2021:

FIIEstratégiaRentabilidade
NVHO11 – FII Novo HorizonteFundo de tijolo (empreendimentos hospitalares)

87,33%

HCTR11 – Hectare CEFundo de papel (CRIs)

67,18%

ORPD11 – Ouro Preto Desenvolvimento ImobiliárioFundo de tijolo (imóveis comerciais , residenciais e industriais)

45,2%

IRDM11 – Irídium Recebíveis ImobiliáriosFundo de papel (CRIs)

42,5%

KINP11 – Even Permuta KineaFundo de tijolo (imóveis residenciais)

32,2%

BPRP11 – BRL PropertiesFundo de tijolo (galpões logísticos)

30,9%

REIT11 – Socopa FIIFundo de papel (CRIs)

30,8%

NSLU11 – Hosp N Sra LourdesFundo de tijolo (empreendimentos hospitalares)

24,7%

BARI11 – Bari CRIFundo de papel (CRIs)

23,7%

PLRI11 – Polo RecebíveisFundo de papel (CIRs)

22,4%

FIIs podem trazer boas oportunidades com menos risco em 2021