Fundos DI: saiba o que são e como funcionam

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Imagem/reprodução/unu

Os Fundos DI, ou Fundos de Renda Fixa Referenciados DI, são fundos que devem investir, no mínimo, 95% do seu patrimônio em Títulos Públicos atrelados à SELIC.

Lembrando que SELIC é a taxa que o governo paga a quem empresta dinheiro a ele. Ou seja, é a taxa básica da economia, e funciona como referência para todos os tipos de juros.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Esses fundos são bem conhecidos pelos brasileiros, justamente por serem uma das modalidades mais simples de investimento. Por isso, são uma das alternativas mais indicadas para a formação da reserva de emergência.

Quer saber se os fundos DI são uma boa opção para a sua carteira? Então, continue a leitura, e saiba mais sobre esse investimento!

Como funcionam os Fundos DI?

Antes de mais nada, precisamos conhecer algumas das características dos fundos DI. Acompanhe!

Liquidez

Como vimos, os fundos DI são uma das melhores alternativas para a reserva de emergência. Isso porque, normalmente, a sua liquidez é diária e, em alguns casos, chega a ser imediata.

Rentabilidade

Basicamente, esses fundos são formados por títulos públicos atrelados à Selic. Dessa forma, a sua rentabilidade será um pouco inferior à taxa básica de juros. Isso porque esses fundos possuem o desconto da taxa de administração, que veremos no próximo item.

Custos

Diferentemente dos títulos do tesouro e dos CDBs, os fundos DI possuem taxa de administração. Essa taxa remunera os profissionais que fazem a gestão do fundo, e é cobrada sobre o patrimônio total da aplicação.

Além disso, há cobrança de Imposto de Renda (IR) sobre os rendimentos desses fundos. Nesse caso, as alíquotas obedecem a tabela regressiva de investimentos de renda fixa, da seguinte forma:

PrazoAlíquota
Até 180 dias22,5%
De 181 a 360 dias20%
De 361 a 720 dias17,5%
Acima de 720 dias15%

Outra cobrança que sofre os fundos DI é a do come-cotas. Isso significa um tipo de adiantamento do IR, que incide duas vezes por ano, nos meses de maio e novembro.

Por último, é importante saber que, caso ocorra resgate antes de 30 dias, esses fundos também terão a incidência do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

Para quem são indicados os fundos DI?

Pelo fato de seu desempenho ser bastante previsível (basicamente, os fundos DI variam conforme a Selic), eles são uma das melhores opções para o perfil de investidor mais conservador. Porém isso não significa que investidores moderados ou arrojados não possam tê-los na carteira.

Isso porque, independentemente do perfil, todo investidor precisa ter uma reserva de emergência. E a principal característica dessa reserva é a liquidez imediata, uma das características dos fundos DI.

Vantagens e desvantagens dos fundos DI

As principais vantagens dos fundos DI são a liquidez e o baixo risco que o investimento oferece, uma vez que é formado, basicamente, por títulos públicos. Por outro lado, a taxa de administração e o sistema de “come-cotas” podem comprometer a rentabilidade do investimento.

Além disso, esses fundos não possuem a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que garante até R$ 250 mil por CPF caso a instituição financeira venha a falir. Dessa forma, são menos seguros do que outras aplicações de renda fixa, como os CDBs e os títulos do tesouro.

Em relação ao FGC, os títulos do tesouro também não contam com essa proteção. No entanto, são garantidos pelo governo, o que torna essa aplicação ainda mais segura do que os CDBs.

Afinal, vale a pena investir nesses fundos?

Para saber se um fundo DI vale a pena, o investidor precisa compará-lo com outras modalidades de liquidez imediata. Nesse sentido, a taxa de administração e o come-cotas podem comprometer os resultados dessa aplicação, caso a sua taxa não seja suficientemente atrativa. Isso sem falar da falta de cobertura do FGC, que aumenta o risco da aplicação.

Por outro lado, esses fundos podem ser uma excelente alternativa para o investidor mais conservador que ainda tem recursos na poupança. Diferentemente da caderneta, que só rende uma vez por mês no dia do aniversário da aplicação, os fundos DI têm rendimento diário. Isso significa que, em qualquer dia do mês que se fizer um resgate, terá o rendimento proporcional aos dias decorridos.

Por sua vez, no caso da poupança, se o aniversário for no dia 25 e o resgate ocorrer no dia 20, todo o rendimento dos 20 dias do mês será perdido.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo