Fundos cambiais: com a alta do dólar, vale a pena investir?

Ronaldo Araújo
Ex-assessor de investimentos agora atuante no marketing digital; habilidades em produção de conteúdo, copywriting e gestão de tráfego pago, com proficiência no gerenciador de negócios do Facebook e campanhas no Google Ads.
1

Crédito: Pete Linforth por Pixabay

Os fundos cambiais contam com uma gestão profissional, assim como todos os fundos de investimentos. Seu objeto é o investimento em alguma moeda internacional, visando ter retorno com as variações do câmbio. Assim, são indicados para quem quer diversificar a carteira com investimentos em algo não baseado em reais. Além disso, é uma opção para quem quer se proteger de alguma exposição futura na moeda em questão.

Este artigo mostrará a você o que são esses tipos de investimento. Ao ler o texto, você saberá como funcionam os fundos cambiais, bem como qual deve ser a correta distribuição de seu patrimônio. Além disso, você verá para quais casos esses fundos são mais indicados, bem como as vantagens e desvantagens desses investimentos. Confira abaixo!

O que são fundos de investimentos cambiais?

Os fundos cambiais são veículos de investimento, assim como qualquer fundo. No entanto, têm suas particularidades visto que seus recursos precisam seguir uma lógica de aplicação. Tratam-se, portanto, de aplicações que investem seus recursos em ativos atrelados a moedas estrangeiras. Normalmente, o alvo desses investimentos são o dólar e o euro.

Não Perca! Começa hoje o evento que vai transformar sua visão sobre Fundos de Investimento Imobiliário

A ideia de quem investe nesse tipo de fundo é proteger o poder de compra frente a algum evento futuro, como uma viagem. Imagine que um investidor pretende gastar R$ 10 mil em sua ida aos EUA. Se isso acontecer daqui a 3 meses, pode ser que o real desvalorize. Assim, essa quantia terá menos poder de compra. Uma aplicação em um fundo cambial pode ser feita para prover proteção ao dinheiro.

Como é a composição de um fundo como esse?

Para que um fundo seja classificado como fundo cambial, ao menos 80% do patrimônio deve estar alocado em títulos de moedas estrangeiras. Aqui vale ressaltar que ao contrário do que pode ser pensado, a aplicação não ocorre diretamente na compra de moedas de outros países. O investimento acontece em operações com instrumentos derivativos correlacionados à cotação do ativo em questão.

A alocação da outra parte do patrimônio (os 20% restantes) fica a cargo da política de investimentos do fundo. Essas informações podem ser encontradas na lâmina. No entanto, o investimento é livre para aplicação em qualquer instrumento. Alguns gestores optam por fazer investimentos em renda fixa para garantir alguma performance predefinida. Outros profissionais usam a porcentagem para fazer operações de hedge, mas as operações alavancadas não são permitidas.

Com a composição seguindo necessariamente essa distribuição, já é esperado que a volatilidade do fundo obedeça majoritariamente às variações que afetam a moeda com investimentos em questão.

Para conhecer melhor a respeito dessas variações em um fundo cambial, é recomendado ler seu prospecto. Assim, pode-se averiguar como foram os períodos de maior e menor turbulência para o fundo quando uma dada moeda sofreu forte pressão cambial.

Para quem um fundo cambial é indicado?

Existem vários perfis para os quais a recomendação de um fundo cambial cai muito bem. E para todos eles, há um pré-requisito que devem ser cumprido: o de ter em reserva de emergência pelo menos seis meses de sustento mensal já acumulados.

A razão disso é que os fundos cambiais são investimentos de risco, visto que a maior parte de seu patrimônio está exposto à flutuação do câmbio de alguma moeda. Assim, o valor investido pode sofrer bruscas variações e o valor investido em um fundo desse tipo não pode ser considerado para uso em curto espaço de tempo.

Isso nos remete à segunda característica desses veículos de investimentos: eles são direcionados para pessoas com perfil de risco moderado e arrojado. Quem é mais conservador talvez nem deva considerar possuir cotas de fundos cambiais. No entanto, para qualquer pessoa interessada em investir nesses fundos, sempre é indicado que não seja o único investimento. Ele deve fazer parte de uma composição de carteira bem equilibrada.

Por fim, todos aqueles que têm obrigações a pagar em moeda estrangeira precisam de uma proteção quanto às variações. E os fundos cambiais são bons instrumentos para isso.

Lembre-se que quem precisa fazer um pagamento no futuro em dólar, por exemplo, pode perder dinheiro se a cotação subir. Mas se essa mesma pessoa tiver cotas de fundos cambiais haverá ganho também e isso contribuirá para manter o preço próximo do acordado inicialmente.

​Quais são as vantagens?

Os fundos cambiais são bastante práticos. Junto a isso vem uma série de benefícios que colocam esse tipo de investimento como uma boa opção.

O primeiro ponto é o baixo custo de entrada. É possível encontrar fundos com aplicação em variações cambiais a partir de R$ 500. Essa é inclusive uma boa estratégia para quem está iniciando com esse instrumento financeiro.

O segundo fator que merece destaque é a alta liquidez desse tipo de fundo. É possível fazer resgates com liquidez imediata e isso dá mais poder de controle ao investidor. Ou seja, o baixo valor inicial de aplicação e a rápida retirada de recursos do fundo é uma boa combinação de entrada e saída desses investimentos.

Além disso, os recursos presentes nos fundos são gerenciados por especialistas no assunto. Tratam-se dos gestores profissionais. Contar com esse tipo de gestão pode ser muito útil para quem não tem tempo de acompanhar todas as variações existentes. Isso proporciona mais tempo para dar atenção ao negócio principal que traz a renda primária. Aqueles que buscam proteção do valor futuro da moeda também podem se beneficiar do trabalho especializado.

E as desvantagens?

As poucas desvantagens existentes desse tipo de investimento se concentram na variação do câmbio e como isso reflete na aplicação como um todo. Devido às rápidas mudanças, mesmo um gestor profissional pode ter dificuldade de acompanhar as cotações. Por isso, fique sempre de olhos bem abertos para o histórico de rentabilidade do fundo, pois ele mostrará como foi o comportamento passado da valorização ou desvalorização da cota do instrumento de investimentos.

Os fundos cambiais são excelentes veículos de instrumento quando a intenção é investir em títulos vinculados a alguma moeda estrangeira. São investimentos de risco e que exigem algum conhecimento do investidor, além de um perfil adequado. Para aqueles que precisam se proteger de variações cambiais futuras, os fundos podem ser a resposta entre ter sucesso financeiro em um negócio ou ver a margem de lucro ser corroída por uma alta em um câmbio.