Fundo de emergência: saiba onde aplicar para uma liquidez diária

Imprevistos acontecem. Como se preparar para eles sem deixar a rentabilidade de lado?

Fabian Fávero
Eu Quero InvestirColaborador do

Crédito: Créditos: William Iven / Pixabay

Uma doença, um familiar precisando, um acidente de carro. Eventos como esses não estão ao nosso controle e quando menos esperamos podem acontecer. Ainda bem que você acumulou dinheiro ao decorrer da vida e tem recursos para honrar as despesas decorrentes destes fatos. Porém, com o valor que você juntou em todos esses anos, você escolheu comprar um apartamento.

O apartamento é ótimo. Localização tranquila, condomínio confortável, posição solar inigualável, e um preço de mercado de R$250.000,00. Você precisa do dinheiro o mais rápido possível, então além dos anúncios na internet, trabalho de corretor de imóveis, burocracia de cartório, você teve que vender abaixo do valor que ele realmente valia. O que poderia ter sido feito diferente?

O planejamento

Costumamos, junto a nossos clientes, aperfeiçoar a inteligência financeira. Para isso, o primeiro passo quando começamos a investir é formar uma reserva de emergência, justamente um valor que possuirá liquidez para cobrir despesas eventuais que possam aparecer no decorrer do tempo. Considera-se liquidez quando pudermos acessar o capital no dia do pedido ou no subsequente, o que as plataformas de investimentos classificam como D+0, ou D+1.

Uma das formas mais eficientes de identificarmos o nosso perfil de investidor, é realizando um teste de perfil.

Você já fez seu teste de perfil? Descubra qual seu perfil de investidor! Teste de Perfil

Quando questionados quanto a valores, sugerimos que o cliente se pergunte: caso você perdesse hoje o seu emprego, quanto precisaria para se manter confortável até achar um novo trabalho? Sendo assim, some suas dívidas fixas no decorrer do mês, como luz, água, gastos com filhos, parcelas fixas, e multiplique-as por três (no mínimo). Caso você se mantenha por mais tempo sem injeção de capital em sua conta corrente, você pode então se planejar em liquidar ativos com uma carência maior.

Onde investir?

Lembre-se: estamos falando de uma reserva de emergência. Não podemos expô-la ao mercado, mas também não precisamos deixa-la na poupança rendendo incrivelmente pouco.

Para esse “dinheiro embaixo do colchão”, ativos como ações não são uma boa alternativa tendo em vista a sua volatilidade. Se necessário acessar o dinheiro com as mesmas operando em baixa ocorre uma perda. Moedas estrangeiras e até mesmo o ouro podem sofrer com essa variação.

Para isso, recomendamos os produtos com baixa volatilidade como CDBs, LCAs ou LCIs, o próprio tesouro Selic, além de fundos de investimento de renda fixa que operem com liquidez diária, como explicados abaixo:

CDB e LCA/LCI:

Os Certificados de Depósito Bancários que ofereçam de liquidez diária representam uma boa alternativa para nossa reserva de emergência. Além de observada a liquidez, deve-se prestar atenção se o retorno dele está acima do CDI. Sua tributação respeita a tabela regressiva de renda fixa, e o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) o cobre em caso de quebra do emissor. No mesmo sentido funcionam as Letras de Crédito Imobiliária e do Agronegócio, mudando apenas a destinação do recurso captado.

 Tesouro Selic:

O tesouro Selic é um título de dívida do governo e tem sua rentabilidade atrelada à taxa que leva o nome do produto. A rentabilidade normalmente acompanha o CDI, tem a garantia do Tesouro Nacional e liquidez de D+1. Ademais, sua tributação também segue a tabela regressiva das rendas fixas. O custo para adquirir estes títulos varia de instituição para instituição. Algumas corretoras ou bancos podem cobrar uma taxa pela operação, além do custo da B3 de 0,25%/ano.

Fundos de Investimento de Renda Fixa:

Os Fundos de Investimento em Renda Fixa vêm se provando a alternativa mais rentável para reserva de emergência. Estes fundos, segundo a lei, devem ser compostos por no mínimo 80% de títulos públicos, debêntures, CDBs e LCIs e LCAs. Os 20% restantes podem ser aplicados em produtos que elevem a rentabilidade.  Eles representam uma boa opção pelo fato de um gestor altamente capacitado estar no controle dos recursos. Ainda, com um valor pequeno poder acessar uma cesta de produtos, diversificando risco e aumentando a chance de rentabilidade. A tributação deles também segue a tabela de renda fixa, porém não possuem a cobertura do FGC.

Com essas informações aperfeiçoe seu planejamento financeiro. Todos estamos sujeitos a imprevistos na vida pessoal ou profissional, desde uma máquina de lavar roupas estragada até a falência de uma empresa. Portanto, é possível sim unir segurança e rentabilidade!

Quando, onde e quanto investir

O teste de perfil de investidor criado pela equipe da Euqueroinvestir.com pode ser usado como base para você identificar seu perfil como investidor: conservador, moderado ou agressivo.

Conhecer o próprio perfil como investidor e ter claro o objetivo com os investimentos, é a base para identificar os melhores investimentos, afinal, não existe o melhor investimento, o que existe é o melhor investimento para o perfil e objetivo do investidor.

No entanto, o teste de perfil é só o começo, o primeiro passo em sua caminhada enquanto investidor. Entender mais profundamente seu perfil e ter claro os objetivos quanto a prazos de investimentos, é uma tarefa um pouco mais sofisticada e exige uma análise mais criteriosa.