França e União Europeia se preparam para “guerra tarifária” contra os Estados Unidos

Paulo Amaral
Jornalismo é meu sobrenome: 20 anos de estrada, com passagens por grandes veículos da mídia nacional: Portal R7, UOL Carros, HuffPost Brasil, Gazeta Esportiva.com, Agora São Paulo, PSN.com e Editora Escala, entre outros.

Crédito: REUTERS/Carlos Barria

O presidente Donald Trump terá de se desdobrar para acalmar a fúria da França e da União Europeia. Se Trump resolver levar adiante a ameaça de impor tarifas de até 100% sobre US$ 2,4 bilhões em champanhe e outros produtos franceses, haverá retaliação por parte dos franceses e do bloco europeu.

O governo norte-americano tomou a decisão de impor novas taxas após ser informado de que os novos impostos de serviços digitais da França prejudicariam empresas de tecnologia norte-americanas e que seriam “anormalmente custosos” para Google, Facebook, Apple e Amazon.com, por exemplo.

Praticidade e precisão, saiba quais melhores investimentos e como melhorar rentabilidade de suas ações

Trump afirmou, antes de participar de uma reunião da Otan, em Londres, que não permitirá que a União Europeia e a França se aproveitem das empresas dos Estados Unidos e as tratem de forma injusta.

Ameaça inaceitável

O ministro das Finanças da França, Bruno Le Mair, qualificou a ameaça norte-americana como inaceitável e disse que o imposto francês não discrimina companhias dos EUA.

“Não estamos mirando nenhum país, mas, em caso de novas sanções norte-americanas, a União Europeia estará pronta para retaliar”.

A taxa francesa aplicada à renda de serviços digitais de empresas com mais de 25 milhões de euros de receita na França e mais de 750 milhões no mundo é de 3%.

Segundo a investigação do escritório do Representante Comercial dos EUA, o imposto francês “não condiz com os princípios de política tributária internacional prevalecentes”.

Money Week 5ª Edição

5 Dias de Evento | 70 Autoridades do Mercado Financeiro | 20 Horas de Conteúdo