Forpus: gestora de um dos fundos mais rentáveis de 2020 lança multimercado 

Naiana Oscar
Colaborador do Torcedores
1

A Forpus Capital, gestora de um dos fundos de ações que mais vem se destacando em 2020, está prestes a colocar outro produto no mercado: o Forpus Multiestratégia FIM. 

O sócio da Forpus, Luiz Nunes, participou na semana passada de uma live promovida pela EQI, em que explicou como será o novo fundo e contou sobre a estratégia de investimento da casa, criada em 2015.

Em cinco anos, o Forpus Ações Fic Fia, único fundo da gestora, teve uma rentabilidade de 470,61%, contra 108,36% do Ibovespa. No ano, o retorno é de 14,8%, apesar da pandemia que derrubou o mercado, enquanto o principal índice da bolsa brasileira cai 13%. 

O Forpus Ações, no entanto, está fechado no momento. “Está fechado inclusive para os sócios”, brincou Nunes, que tem 40 anos e atua desde os 18 no mercado financeiro. “O Multiestratégia foi criado justamente para que os sócios da Forpus pudessem investir seu dinheiro pessoal. Mas fomos convencidos a abrir para outros investidores.”

Ferramenta ajuda na escolha de suas ações de acordo com balanços

Sobre o Forpus Multiestratégia FIM

O fundo estará disponível em breve para clientes da EQI. Em resumo, 30% será alocado no Forpus PIA. A segunda camada será de proteção, com investimentos em commodities, juros e câmbio. E a novidade são os 10% em criptoativos, utilizando um índice amplo do setor.  

Nunes compara esse segmento ao surgimento da internet na década de 90, quando se sabia que vinha uma mudança grande pela frente, mas não era possível saber quais seriam as empresas vencedoras. “A gente acredita em criptotecnologia, ela será usada para milhares de coisas no futuro. Mas queríamos comprar a tese sem escolher um cavalo único”, diz. 

Por isso, escolheram um índice (o HDA), que mapeia todas as opções de investimento em criptotecnologia, fazendo uma seleção do que tem uma boa custódia, mais liquidez e market share. São 15 nomes e o rebalanceamento é feito a cada três meses. “Se a gente não gostar é só sair. Podemos vender futuro de Bitcoin.” 

A taxa de administração será de 1,75%. O processo decisório, segundo Nunes, será o mesmo do Forpus Ações. 

Estratégia ‘top down’

A estratégia da Forpus está baseada no modelo de gestão “top down”. Ou seja: para definir a carteira, os gestores olham para o cenário macroeconômico e político global e nacional. É diferente do que se faz na análise fundamentalista, por exemplo, onde o que importa é o valor da empresa. 

Em vez de apostar em uma única companhia, os gestores da Forpus preferem aplicar os recursos em setores. “A gente evita fazer alocação em empresas específicas. Geralmente, temos cinco ações por setor. Não queremos correr o risco de uma fusão e aquisição, mudança de estratégia, troca de CEO. Queremos a tese daquele mercado”, explica.

A carteira tem uma distribuição 130 por 30. Isso significa estar comprado 130% em papéis com potencial de alta e estar vendido 30% em ações com potencial de queda na avaliação da Forpus. É dessa forma que a gestora se protege dos solavancos do mercado. 

É o que explica o desempenho da gestora em meio à pandemia. “Sem genialidade, com disciplina”, repete Nunes, como um mantra. “Sempre que eu falo em retorno diferenciado tem a ver com muita proteção.”  

Alavancagem 

Questionado sobre a alavancagem do novo fundo, Nunes disse que a gestora não faz alavancagem negativa. “Alavancagem é quando se tem exposição maior do que o seu patrimônio. A gente compra muita opção fora do preço, para ter proteção. Se der errado, a gente perde o prêmio da opção”, explica. “No multiestratégia, como  vamos trabalhar com derivativo, vamos ter alavancagem positiva.”