Foguetes atingem áreas próximas a embaixadas em Bagdá; Trump volta a ameaçar o Irã

Marco Antônio Lopes
Editor. Jornalista desde 1992, trabalhou na revista Playboy, abril.com, revista Homem Vogue, Grandes Guerras, Universo Masculino, jornal Meia Hora (SP e RJ) e no portal R7 (editor em Internacional, Home, Entretenimento, Esportes e Hora 7). Colaborador nas revistas Superinteressante, Nova, Placar e Quatro Rodas. Autor do livro Bruce Lee Definitivo (editora Conrad)

Crédito: Reprodução

Seis foguetes atingiram Bagdá neste domingo (5) em locais próximos a embaixadas, entre as quais a americana. É o segundo dia seguido que a capital iraquiana é alvo de foguetes, perto da representação diplomática americana, após o ataque dos EUA que matou o general iraniano Qassem Soleimani em Bagdá. As informações são da Agência Reuters.

A autoria dos disparos ainda é desconhecida. Mas o presidente Donalda Trump voltou ao Twitter para ameaçar: “Se um americano ou um alvo dos EUA for atingido pelo Irã, vamos atacar de volta de maneira desproporcional.”

Neste domingo, três dos seis foguetes atingiram a Zona Verde, área militarizada na capital iraquiana que abriga representações diplomáticas como a embaixada dos Estados Unidos, sedes do governo do Iraque, mesquitas e o parlamento do país.

Participe do maior evento de investimentos da América Latina

Outros três caíram em Jadryia, bairro que é vizinho à Zona Verde. A Reuters afirma que há seis feridos.

Novas ameaças ao Irã

Não se sabe ainda que grupo armado ou exército disparou os foguetes.

As informações ainda são desencontradas. A CNN diz que foram três foguetes que caíram em Bagdá. Dois atingiram a Zona Verde e um terceiro em Jadryia. A emissora não confirmou feridos.

O presidente Donald Trump voltou a fazer ameaças ao Irã em publicação no Twitter. Trump disse que se o Irã investir contra alvos americanos terá “uma resposta desproporcional e dura”.

“Estes posts servem como notificações ao Congresso americano. Vamos atacar de volta se o Irã atingir alvo ou cidadão americano. Não é preciso avisar, mas estamos fazendo assim mesmo”, escreveu o presidente americano, em postagens reproduzidas pelos principais portas e emissoras de TV pelo mundo.

Explosões também no sábado

No sábado o presidente americano tinha feito post no Twitter no mesmo tom. Trump disse que os EUA podem atacar 52 alvos no Irã se o país atingir americanos.

No mesmo dia, o Iraque registrou três explosões de foguetes.  Um deles atingiu Jadryia e outro, uma base militar a 80 km de Bagdá. O local é dividido com militares americanos. O terceiro teve como alvo a Zona Verde.

As informações são da agência de notícias Reuters. Não há informações oficiais sobre feridos nos incidentes no interior da Zona Verde e na base iraquiana onde tropas americanas estão instaladas.

No bairro próxima à área militarizada, porém, há cinco feridos, de acordo com relatos da Reuters.

Protestos

Os lançamentos de foguetes nesses três pontos do país ocorrem horas depois de um cortejo em Bagdá ter sido acompanhado por milhares de pessoas, no funeral do general iraniano Qassem Soleimani, de 62 anos. O militar, considerado o segundo homem mais poderoso do Irã, era comandante da Guarda Revolucionária do país e foi morto num bombardeio dos EUA a um comboio de militares iraquianos e iranianos no aeroporto de Bagdá na última quinta (2).

O cortejo em Bagdá foi realizado sob protesto: participantes gritavam contra o ataque dos EUA, levantavam faixas em que se lia “Morte À América” e se manifestavam contra a presença do soldados americanos no Iraque.

Perto da embaixada americana

O foguete que atingiu a Zona Verde caiu num lugar chamado Praça da Celebração, próximo à embaixada dos Estados Unidos.

O segundo míssil destruiu uma casa no bairro de Jadryia, próximo à Zona Verde, e teria deixado cinco feridos, de acordo com a agência Reuters. Mas autoridades iraquianas não confirmaram a informação.

O terceiro míssil alcançou a base iraquiana em Balad, a 80 km ao norte de Bagdá, que é utilizada também por militares americanos. A explosão ocorreu no mesmo dia em que o governo dos EUA determinou a retirada de soldados da Otan do Iraque.