Focus prevê inflação acima de 3% em 2020 e reduz PIB de 2021

Redação EuQueroInvestir
Colaborador do Torcedores
1

Crédito: Divulgação/Banco Central

O Boletim Focus do Banco Central trouxe nesta semana uma nova elevação da previsão para a inflação oficial do país (IPCA) para 2020 e reduziu mais uma vez o crescimento esperado para o PIB em 2021, de acordo com relatório divulgado nessa terça-feira (03).

O que você verá neste artigo:

IPCA

A previsão para o IPCA passou de 2,99% na semana passada para 3,02% essa semana, mantendo a sequência de altas para esse indicador, que há quatro semanas estava em 2,12%. Essa é a décima segunda semana em que o IPCA apresenta alta.

Na sexta-feira (6), o IBGE divulgará o IPCA fechado de outubro. Na prévia do mês, o IPCA-15, a inflação ficou em 0,94%. Em setembro, o índice foi de +0,64%.

BDRs| Aprenda mais sobre essa classe de Ativos

Para 2021, a estimativa do mercado financeiro para a inflação no Boletim Focus subiu ligeiramente de 3,10% para 3,11%.

PIB

Para o PIB de 2020, o boletim Focus não trouxe alteração. Na semana passada, a queda esperada para a economia brasileira esse ano era de 4,81% e se mantém assim, interrompendo as revisões para baixo do indicador. Há quatro semanas, previa-se uma queda de 5,02%.

Para o ano que vem, no entanto, a estimativa de crescimento recuou pela terceira vez. Foi de 3,42% para 3,34%.

Câmbio

A estimativa para a cotação do dólar em relação ao real ao final de 2020 também teve uma nova correção para cima, pela quarta semana seguida. O mercado espera agora uma taxa de R$ 5,45, contra R$ 5,40 na semana passada e R$ 5,25 há quatro semanas. Para 2021, a projeção se mantém em R$ 5,20.

Selic

Já a previsão para a taxa básica de juros da economia para esse ano se manteve inalterada em 2% e 2,75% em 2021.

Na semana passada, na penúltima reunião do ano, o Copom manteve a taxa inalterada em 2%. Em ata, divulgada nesta terça-feira (3), o colegiado afirma que julga adequado o nível atual de estímulo monetário e o forward guidance adotado.

Segundo essa diretriz, o Copom não pretende reduzir o grau de estímulo monetário desde que determinadas condições sejam satisfeitas. Ou seja, expectativas de inflação abaixo da meta; regime fiscal mantido; e expectativas de inflação de longo prazo ancoradas.

Focus

Reprodução/BC

Focus 2022

  • IPCA: 3,5% há 66 semanas
  • PIB: +2,50% há 132 semanas
  • Câmbio: R$ 5,00 há uma semana
  • Taxa Selic: 4,5% há 10 semanas

Focus 2023

  • IPCA: 3,25% há 16 semanas
  • PIB: 2,50% há 87 semanas
  • Câmbio: R$ 4,94 há uma semana – era R$ 4,90 antes
  • Taxa Selic: 6% – era 5,50% há duas semanas